domingo, 29 de janeiro de 2017

Gastar por gastar, sem qualquer proveito


Há fundos comunitários que, mesmo a fundo perdido, se transformam verdadeiramente em nefastos empreendimentos para a economia nacional, pois só geram elevadas despesas e nunca uma simples mais-valia.
Tais ‘mecenas’ impõem-nos modos comportamentais de vida sem a mínima sustentação credível ou positiva.
Este introito vem ao encontro de um caso que ouvi, através da televisão, a um edil de uma cidade banhada pelo Atlântico, o qual afirmou que ia iluminar uma grande parte da frente marítima, a fim de se praticar surf à noite, uma vez que, assim, vai beneficiar muitos praticantes que trabalham de dia, pelo que só dispunham da noite para tal náutica prática.
Serão fundos comunitários, cerca de dois milhões a fundo perdido, que suportarão tal façanha para puro lazer.
E, assim, se gastam verbas vultuosas que, mesmo sem retorno como dívida, se tornam num verdadeiro sorvedouro público e continuado depauperamento social.
Temos tanta obra ao abandono, após pomposas inaugurações, que só levantaram o ego a uns tantos autarcas, sem que nada de positivo daí tivesse advindo para as populações.
É como semear milhões e continuarmos sem empregos sustentáveis para a população que temos.


José Amaral

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.