segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

EM NOME DE DEUS



Fui ver o filme “Silêncio”. Trata-se da representação de uma das muitas páginas negras da horrível história das religiões. Esta passou-se no Japão budista, onde os cristãos eram obrigados a abjurar. Os que não o fizeram, e para exemplo dos outros, foram submetidos às mais cruéis torturas até à morte. Aliás, a sanha assassina sempre esteve e está presente, quando se trata de punir, em nome de Deus, “infiéis”. Não foi assim também com os cristãos? Mesmo entre eles? Nas guerras de protestantes e católicos?Nas cruzadas e nos tribunais do Santo Ofício da Inquisição? Não é assim agora com as facões islâmicas sunitas extremistas e fanáticas?
Voltemos ao “silêncio”. Passou-se mais concretamente na região de Nagasáqui, que 3 séculos depois será riscada do mapa a mando de quem jurou com a mão direta sobre a Bíblia Sagrada. Desta vez, não em nome de Deus, mas do poder. A estória de que foi para acabar com a 2ª Guerra Mundial, é mentira! É propaganda! A Alemanha nazi tinha-se rendido há 2 meses, e o Japão com as Forças Armadas destroçadas e exangues, sabia-se, ia fazer o mesmo. Aquele hediondo crime, mais o de Hiroxima, foram os segundos maiores da história da humanidade( o primeiro foi o holocausto nazi). Claro que pôs termo à guerra! Mas, serviu, sobretudo, para o império avisar os então soviéticos e outros potenciais “inimigos”, que possuía aquela hedionda arma ( hoje existem suficientes para aniquilar toda a humanidade).
Não consigo compreender como é que o Deus(tenha ele a designação que tiver) nosso pai misericordioso e todo poderoso, permite tais monstruosidades?Tais filhos gerou? Ou não somos a Sua imagem e semelhança?

Francisco Ramalho
Corroios, 30 de Janeiro de 2017


8 comentários:

  1. As "coisas" nunca são em nome de Deus! São sempre em nome do poder! Deus só serve para rejeitar a culpa e "salvar a alma". Uma espécie de alter ego inventado para ver se nos perpetuamos numa eternidade construída a partir de nós. De baixo para cima e não o contrário.
    A atrás dito é do foro do "filosófico", agora do que li do seu seu texto e portanto de si, ficam-me algumas omissões que, provavelmente por esquecimento (?), não referiu, a saber: onde está José Estaline? E o Goulag? E o acordo depois rompido com Hitler? E os xiitas? E Pol Pot? E Pinochet? Olhe, e as tais bomba nucleares ( que também as têm os xiitas do Irão...)?
    Pegando neste último exemplo, é assim: ou se está contra o nuclear ou não se está! Não há bombas más e bombas boas!
    Sou muito kantiano. Não acredito em Deus mas bem e mal são noções pertinentes. E valorizo mais um "Obamacare" (não Obama) que todos os "poderes", tendo por trás Deus ou, sem respaldo o próprio ser humano.

    ResponderEliminar
  2. Concordo com o primeiro parágrafo. Depois, eu falei num assunto específico. Não falei em todos esses que cita. e ao falar-me neles, parece que os aplaudo. Eu estou contra o nuclear e contra todas as pulhices. E o amigo Fernando, nunca tinha sido assim agressivo. Provocador! Acha que é através disto que vamos discutir todos esses assunto? E tem a pretensão de ter toda a razão... Quando voltarmos a estar pessoalmente, podemos estar horas. E provavelmente nunca concordaremos com tudo. Interessa é que nos respeitemos. E, desculpe, parece que não o está a fazer. Repito; estou contra todas as pulhices humanas.

    ResponderEliminar
  3. E digo-lhe mais, estou contra todas as situações e personagens que referiu. Mas também estou contra Obama( repito, como presidente dos EUA, é o principal responsável pelo estado calamitoso do mundo) e o Senhor não está. Mas eu respeito a sua opinião. E não tenho a pretensão, como o amigo Fernando agora, de ser eu o impoluto e dono da verdade e o senhor, o sectário. Em relação ao 2º maior crime da história da humanidade, tem dúvidas?
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  4. Provocador talvez, agressivo não! Agora pretensão de impoluto e dono da verdade??!!! O Francisco escreveu, eu disse a minha opinião. Este local do comentário está aqui para quê? Bom, sei agora que não posso polemizar com quem não gosta da polémica. Desculpe mas repito... impoluto?! O que o fez dizer isto? Não entendo. Termino respondendo à sua pergunta: Hiroxima e Nagasáqui foram um dos grandes crimes da humanidade.

    ResponderEliminar
  5. Essa do impoluto, era escusada, embora não tenha qualquer intenção de o ofender. Tenho muita consideração por si. Mas convirá que não foi um mero comentário ao que escrevi...E não gostei! Para além dos outros, então o amigo Fernando, acha que eu não considero Pol Pot, Pinochet como do piorio da nossa espécie? E, já agora, não falou nisso, mas acrescento que também considero o regime da Coreia do Norte uma aberração. Pela minha parte, se me permite, vou continuar a comentar os seus textos

    ResponderEliminar
  6. Ouça Francisco,as polémicas não se podem prolongar num blogue e daí que eu deva calar-me após a minha última intervenção. Quanto aos seus ( e de todos) comentários aos meus textos, não me compete permitir ou não pois a caixa deles está cá para isso! Quanto aos seus textos, claro que lhes "cairei em cima" se achar pertinente e... tiver alguma coisa para dizer! Alegria para si!

    ResponderEliminar
  7. Gostei desta, da alegria. Habitualmente não pensamos nisso! Mas é efectivamente uma coisa muito boa que se pode desejar. Obrigado amigo Fernando! Igualmente para si.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.