quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Futebol falado


Em tempos tão conturbados como os que vivemos, é quase sacrilégio (pelo menos, desperdício) falar aqui de futebol. Mas ele existe e tem importância crescente no país e no mundo.

O fenómeno dos debates entre comentadores (especialistas?) não é de hoje, e vem ocupando todos os espaços do espectro informativo nacional, pelo que, de vez em quando, é conveniente alguém vir lembrar que há vida para além do comentário futebolístico, ou daquilo em que o transformaram tantos opinadores. Uma grande parte desses senhores, adeptos orgulhosos dos três grandes clubes, não se deram ainda conta de que esturram o seu tempo e o dos outros maioritariamente com débitos opinativos que pouco ou nada têm a ver com o futebol em si, esse jogo maravilhoso que tanto me apraz no interior das quatro linhas.

O futebol jogado foi apoucado relativamente à actuação de um interveniente que, por sinal, não sabe jogar à bola pois, se soubesse, era ou teria sido jogador e, por isso, limita-se ao papel de árbitro, o eterno grande responsável pelas frustrações de cada um. Excepto alguns (poucos) jogadores, não há dirigentes, treinadores, adeptos, comentadores (credenciados pelo clube), que sejam capazes de aceitar a derrota como “culpa” sua, endossando-a sempre para o juiz. De mim, já farto, podem contar com a mudança de canal televisivo, estação radiofónica ou página de jornal sempre que aparecerem. A paciência tem limites.
Público - 02.01.2017 - amputado da parte sublinhada

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.