quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Pensamento do dia


Se as negociatas na e da CGD cheiram a esturro; se no Novo Banco já há um cheiro a podridão, mesmo sendo novo, e como uma desgraça nunca vem só, mais nos valia – aos comuns filhos da Pátria - juntar esturro com podridão e limpávamos toda a merda de uma só vez, agrupando ambos sob o controlo da Nação.


José Amaral

1 comentário:

  1. O meu Amigo conseguiu retirar poesia no meio do esturro e podridão, pois há uma certa harmonia na forma como descreve e aconselha a solução. A alma genuína do poeta, mesmo nos assuntos da desgraça, vem sempre ao de cima. Um abraço lusitano, com a esperança que estas decisões políticas, não nos prejudiquem mais que as já tomaram, pois, no final, de uma forma ou de outra, o zé povinho sofre toda a carga.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.