terça-feira, 24 de abril de 2018

Quase tudo perdido!


Com certeza que há muita gente que enaltece o 25 de Abril de 74, animado num floreado encravado de vermelho. Com certeza que têm muitas razões para contentamento e sentirem-se ainda hoje em festa. Mas com certeza que há outros muitos, que sentir-se-ão frustrados com a caminhada que esse Abril os obrigou a calcorrear. A Revolução, dita de libertação, provou-nos até hoje, que serviu para enriquecer ainda mais os ricos, e agravar as condições dos pobres, e até juntar-lhes os remediados que existiam na véspera e nos dias seguintes ao acontecimento naquela data. Os pobres, não sentiam a angústia de hoje, nem o desespero em que vivem actualmente. Adormeciam numa pobreza consentida, e acordavam num quadro de exigências aceites como naturais, mas sem a revolta que hoje os assalta. O 25 de Abril, foi bom para o surgimento do oportunismo e enriquecimento ilícito, e muito reles para os que estavam e continuaram de fora das vantagens impossíveis de se lhe chegar. É certo que os que andavam descalços hoje trazem os pés mais protegidos, e os rotos, não vestem prada, mas trajam uma roupita dentro do padrão que a feira e a carteira permite. Hoje ainda há os contentores para recolha de roupa usada, e distribuição de comida aos famintos, com espalhafato reportado. Porém as dificuldades são na actualidade, mais insuportáveis que as sentidas “no tempo da outra senhora”. É verdade que o analfabetismo diminuiu, mas a ignorância mantém-se e dói mais. Os muros são mais visíveis sempre que chegamos à burocracia e ao pedido de ajuda para os ultrapassar. E no entanto o 25 de Abril já foi há 44 anos bem medidos. É verdade que nem tudo foi mau durante estes anos de muita conversa, discurso oficial, criações públicas para privado ver, privilégios e indemnizações chorudas para quem as soube embolsar, mediocridade no poder local e central dos habilitados e diplomados com maus créditos, festins e marchas de protesto, emprego algum e precariedade a rodos, etc. Mas tendo em conta este tempo passado, somos obrigados a pensar, que nos trouxe verdadeiramente tal Revolução floreada, para além desta sorrateira liberdade de expressão, como é este caso e dela uso, sabendo contudo que a mesma liberdade não existe, de publicação, mesmo se ela se exerce no respeito pelas normas estabelecidas por quem as exige e recomenda, e se torna prejudicial por vezes? E sabendo que o silêncio e a vergonha de muitas pessoas e famílias se mantém, por não terem aonde cair mortas, por não receberem um cêntimo ou uma flor sequer, do Estado Social, e disfarçarem os dias à sombra da nova realidade com a amargura velha, como se tudo fosse um mar de rosas ali no banco do jardim ou dentro da barraca que não fala mas esconde olhares embaciados? O 25 de Abril foi o que foi, não é?*

-*(hoje pubcdº25.04.018."Público"-mitigado)
- *( in 26.04-Destak.págª15.c/cortes)
- *(in 17.05-no JNpágª35resumº)



1 comentário:

  1. Receba, Companheiro de Jornada, o meu mais sincero abraço por tudo que acima escreveu,com o qual estou de acordo, mas que não teria nem tenho a mestria para o dar à estampa.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças. Não diga aos outros o que não gostaria que lhe dissessem. Faça comentários construtivos e merecedores de publicação. E não se esconda atrás do anonimato. Obrigado.