sexta-feira, 26 de maio de 2017

TERRORISMO E HIPOCRISIA



Trump, esteve agora em Israel, Arábia Saudita e na cimeira da NATO. No primeiro país, que transformou a Palestina na maior prisão a céu aberto do mundo, onde 1500 palestinianos cumprem uma greve de fome “apenas”pela exigência de condições humanas nas masmorras do ocupante, Trump, foi lá dizer, entre outras ameaças ao Irão, que o seu velho aliado pode estar descansado: o seu vizinho, nunca será como ele, Israel, uma potência nuclear.
Na Arábia Saudita, perante uma assistência apenas constituída por homens, porque a mulher além de não contar, por exemplo, é proibida de conduzir e é lapidada se cometer adultério, Trump, foi lá falar no combate ao terrorismo, no país que é o maior apoiante da rapaziada do DAESH e da Al-Qaeda. E, claro! Já que ali estava, aproveitou para lhes vender 300.000 milhões em armamento.
Depois, em Bruxelas, foi ralhar com os seus mainatos, perdão, com os seus aliados, da NATO e exigir-lhes que abram mais os cordões à bolsa, pelo menos 2% do PIB, para aquela organização bélica, braço armado deles, EUA, e do capitalismo. E, evidentemente, jurou também a pés juntos, que podem contar com ele, na luta contra o terrorismo.
Entretanto, o terrorismo ( não o deles, o de Estado) que está disseminado um pouco por todo o mundo, cometeu mais uma hedionda chacina em Manchester. Mas onde o terrorismo dos fanáticos islamistas está concentrado, como na Síria, aí não o combatem! Aí, apoiam-no, para os ajudar a derrubar o respetivo governo, por este, não lhes obedecer. Aliás,como aconteceu no Afeganistão, no Iraque e na Líbia.
Francisco Ramalho
Corroios, 26 de Maio de 2017

Hoje, 29/5/17 no Destak




5 comentários:

  1. O Papa Francisco também se viu constrangido a receber essa comandita, mas a carinha dele que eu vi na fotografia metia dó...

    ResponderEliminar
  2. Esqueci-me do Papa Francisco. Vi algures que tinha sido "muito frio" o encontro. Imagino o que o Papa teria vontade de lhe dizer!...

    ResponderEliminar
  3. Amigo Ramalho - O Papa é um homem bom e percebe o que se passa à sua volta. Por ele, o mundo e a sua Igreja, que do mundo faz parte, seguiriam outros caminhos mais solidários e justos. Às vezes a euforia, na recepção a pessoas que não conhecemos bem, é falsa, e o Papa é um home honesto. Mais uma vez afirmo que não sou católico, sou agnóstico, e é como homem de bem que analiso o Papa. Um abraço à "rapaziada" e continuem a lutar por um mundo melhor, como o faz o Papa.

    ResponderEliminar
  4. Estamos de acordo em relação ao actual papa. Aliás, há imensos católicos/cristãos por quem tenho imenso respeito e admiração.

    ResponderEliminar
  5. Só para dizer que não devia ter repetido os imensos...muito, bastante, etc.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.