domingo, 21 de maio de 2017

Blanchard desmente Rousseau


Constatar que, afinal, a prioridade não deve ser o défice e que a dívida não tem de ser reduzida, como agora faz o ex-economista-chefe do FMI, não é um exercício de Economia. Trata-se, antes, de algo que tem a ver com a natureza humana. Ter obrigado, do alto da sua sabedoria e do seu poder, enquanto membro da poderosa troika, milhões de pessoas a sacrifícios indignos, só para dar razão a uma teoria que favorece os mais ricos, não é “ciência”. Infelizmente, também tivemos essa espécie de pessoas em Portugal. Agora, dizem todos não compreender o que se passou, encolhem os ombros, lamentam os conselhos do passado, e nem um pingo de vergonha ou remorso pelo mal praticado. De facto, o Homem não é estruturalmente bom. Rousseau estava redondamente enganado. 

Público - 23.05.2017

2 comentários:

  1. Quando vi, aqui no blogue. o texto do Fernando Rodrigues sobre este mesmo tema, já tinha enviado o meu para o Público. Ainda hesitei em publicá-lo aqui, mas, embora correndo o risco de ser redundante, decidi-me por fazê-lo. O trabalho estava feito e achei por bem dar-lhe alguma utilidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E fez muito bem, José. Nunca é demais denunciar estas coisas. Além de que me sinto muito mais calmo quando o que escrevi está bem respaldado, agora, num economista... Abraço! Eu só compartilhei o meu no Facebook porque no PÚBLICO...

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.