sábado, 20 de abril de 2019

A volta do cherne...

Primeito voltou  Cavaco Silva, a "luminária", agora foi Durão Barroso, o "cherne". Deixo o primeiro de lado pois nele a inteligência não abunda. Mas o segundo tem-na, mesmo que expressa naquela cara feia e malsã e na palavra verrinosa, travestida de "doçura". Que veio dizer este homem? Que "se estivesse de posse de mais dados, não teria acolhido a reunião nos Açores que desencadeou a invasão do Iraque"(sic) ("tadinho"!). Mas logo se apressa a rematar dizendo que, tendo os que tinha, não se arrepende do que fez ( não fosse estar, agora, a fazer "penitência" a mais!) E, sibilino como só ele sabe ser, diz que "essa reunião não teria sido possível.... sem a autorização de Jorge Sampaio, então Presidente da República" (sic). Isto quando sabemos por este que aquela lhe foi comunicada de madrugada, poucas horas antes e quando, provavelmente, Bush, Blair e Aznar já estavam dentro dos aviões a caminho do arquipélago."( Nunca) sigamos o cherne"....

Nota: este texto foi espoletado pela (horrenda) entrevista de Durão Barroso á TSF e à visão da            magnífica série - Medo - que está a passar na RTP2.

Fernando Cardoso Rodrigues

1 comentário:

  1. Mas o “ cherne “ tem estado em todas !
    Também o ouvi ( na Sic ) há dois dias e ontem numa reportagem de fundo sobre “ os anos da crise” com a perspectiva de quem perdeu tudo e está a reerguer-se, bem como desse e outros “heróis “ que tudo fizeram para nos salvar 🤔

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças. Não diga aos outros o que não gostaria que lhe dissessem. Faça comentários construtivos e merecedores de publicação. E não se esconda atrás do anonimato. Obrigado.