sexta-feira, 13 de maio de 2016

FÁTIMA, MAIO 13 - 2016

MARIA, FONTE DE AMOR
Estava a Mãe dolorosa
Junto da cruz, lacrimosa
Enquanto Jesus sofria;
Uma longa e fria espada
Nessa hora atribulada
O seu coração feria.
Oh quão triste e tão aflita
Padecia a Mãe bendita
Entre blasfémias e pragas;
Ao olhar o filho amado
De pés e braços pregado
Sangrando das Cinco Chagas.
Quem é que não choraria
Ao ver a Virgem Maria
Rasgada em seu coração;
Sem poder em tal momento
Conter as fúrias do vento
E os ódios da multidão.
Maria, fonte de amor
Fazei que na vossa dor
Convosco eu chore também;
Fazei que o meu coração
Seja todo gratidão
A Cristo de quem sois Mãe.
Mãos postas à vossa beira
Saiba eu a vida inteira
Guiar por Vós os meus passos;
E quando a noite vier
Eu me sinta adormecer
No calor dos vossos braços.
Virgem das Virgens, Rainha
Mãe de Deus, senhora minha
Chorar convosco é rezar;
Cada lágrima chorada
Lembra uma estrela tombada
Do fundo do vosso olhar.
No Calvário, entre martírios
Fostes o lírio dos lírios
Todo orvalhado de pranto;
Sobre o ódio que o matava
Fostes o amor que adorava
O Filho três vezes santo.

Transcrito de um missal popular por Amândio G. Martins


2 comentários:

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.