sábado, 21 de maio de 2016

Transição

Voltei, mais uma vez, a não ser nada!
Nada sei, nada tenho, nada entendo!...
Vivo num mundo que não compreendo…
Zero, resume a vida já passada!

Dentro de mim a alma está parada.
As ilusões foram emurchecendo;
Com elas, pouco a pouco, foi morrendo
O desejo de viver – coisa sagrada!

Num momento do meu inconformismo,
Debruçando-me, apenas, um instante
Notei esta verdade amargurada!

O Homem é um poço de egoísmo,
Um ser defeituoso, um inconstante,
Num anseio de grandeza ilimitada!...

                                      Joaquim Carreira Tapadinhas - Montijo  

2 comentários:

  1. Sem comentários!!!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado à Fernanda por ter lido o poema, num período em que poucos se interessam por poesia, e quase a definem como uma forma menor de comunicação.

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.