sexta-feira, 30 de junho de 2017

Mais um roubo de material de guerra

Mais de 120 granadas, milhares de munições, 44 lança-granadas e uma parafernália de engenhos explosivos prontos a detonar, foi o roubo mais bem conseguido de armas, perpetrado com êxito absoluto, feito aos paióis nacionais de Tancos, à responsabilidade do Regimento de Engenharia nº 1.
Como tudo saiu de lá não sabemos, mas os indícios talvez sejam aéreos, quiçá através de drones de grande calado, a que a Força Aérea tem dificuldades em eliminar, de acordo com tanta invasão do espaço aéreo facilitada junto a aeroportos.
Só espero que o Chefe Supremo de todas as Forças Armadas consiga pôr cobro a tanto desleixo instituído, ou as rondas sirvam para alguma coisa.

nota - texto publicado pelo PÚBLICO de 1/7/2017

José Amaral

3 comentários:

  1. Aqueles que queriam porque queriam, a demissão da ministra Constança, já têm outro entertenimento:
    "Egigir" - se há coisa em que eles são bons é a "egigir" - a demissão do ministro Azeredo, e já !

    ResponderEliminar
  2. Boa! 'Egigir' o novo e eclético verbo da oposição passista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu já sabia que o Passos é que continua a ter a culpa de tudo. Aliás quando os governantes falham, 43 anos depois do 25A, ainda é costume deitar as culpas para Salazar. O Passos pôs-se a jeito, e agora é o abono de família de todos os incompetentes do governo. A boa imprensa do PS e dos politicamente correctos faz o resto. Se derem um tiro na via pública vcontra qualquer entidade política, aposto que o Passos será logo apontado. Pena que ele não tenha compreendido que o seu prazo de validade acabou. Tal como Churchill, enfrentou grandes problemas e sacrifícios, mas o povo não lhe renovou o mandato. È a democracia a funcionar. Uma pessoa um voto, e a maioria infelizmente não sabe o que faz...

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.