terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

A falência da Europa


Numa empresa, numa sociedade digna, em que todos os sócios estão empenhados numa tarefa comum, não há falência parcial. Se o comportamento de uma parte não corresponde ao que seria regra e princípio, está em causa o todo, não apenas essa parte, que por natureza será indissociável. Quando a Europa Unida foi sonhada, não teve em conta a realidade, pois nações tão diferentes, com histórias, antigas ou recentes, completamente antagónicas, imaginar um paraíso de confraternização, um éden, só em pensamentos miríficos isso poderia germinar. Os países “federados” na União Europeia (28), quer os parceiros da moeda única (19), quer os que não estão nesse “conluio”, têm outros objectivos para lá da união de pátrias. Primeiramente estão os seus anseios legítimos, porque inevitavelmente todos nesse campo se servem da mesma “moeda”, depois estará a salvação dos que não são da sua casa. Primeiro nós, depois os vizinhos, é um caminho lógico e corrente, que faz parte da nossa cultura e de todos os povos, porque é um lema de sobrevivência.
A mesma ânsia de poder, que, no Portugal de hoje, catapultou para os órgãos de decisão e governação certos indivíduos sem escrúpulos, e sem inteligência suficiente para perceber toda a complexidade das suas tarefas, e isto vai desde os mais altos responsáveis ao simples autarca paroquial, foi originando, paulatinamente, todo o drama que está em cena e no qual todos somos actores. É preciso atentar que grande parte do nosso descalabro reside na incapacidade desses ditos representantes do povo, que na verdade só representam interesses partidários, pois não fazem leis apropriadas às reais situações, não fiscalizam o seu cumprimento e muitas das que aprovam ou elaboram ficam sempre com escolhos e espaços de fuga, propícios a um enorme laxismo conducente a um colossal “salve-se quem puder”. Esta sementeira, que produziu e produz os seus frutos em Portugal, estende-se a muitos países do Sul europeu e não só.
A União Europeia, à qual muitos países estão amarrados, com a sua estrutura burocrática de serviços, é mais um encargo estrangulador para os Orçamentos dos países. Toda a plêiade de dirigentes dessa superestrutura governamental, que nada prevê e nem capacidade tem para correr atrás dos prejuízos, é formada por muitos segundos planos de países de origem. Conhecemos os casos de Durão Barroso, que abandonou o barco da governação, a meio do percurso, a que estava comprometido, e de Vítor Constâncio, que foi um medíocre governador do Banco de Portugal, que não foram famosos nos cargos que desempenharam em Portugal, e de muitos deputados, que ninguém conhece, que em Estrasburgo nos representam.
Um pai que não socorre um filho, que diz governa-te, quando este está em aflição, é apenas um nome que consta no registo, perde a sua condição.
A União Europeia, se não tem garra para tomar as rédeas da solução dos problemas que nela germinam, não merece o epíteto de União e não passa de mais um conluio de burocratas que exploram os povos mais dóceis e indefesos, a partir duma estrutura que está orientada pelos interesses dos mais fortes. Os burocratas europeus estão tão fechados em si, são tão autistas, que nem ouvem os apelos do Papa Francisco que está tão perto.

Joaquim Carreira Tapadinhas, Montijo BI 9613 – TM 962354823 – jcatapadinhas@gmail.com

3 comentários:

  1. Subscrevo na integra o seu texto.
    O projecto Europeu, se é que alguma vez existiu, entrou em completa falência e é assustador ver como se comportam como náufragos com terra à vista mas incapazes de nadar atá à costa, apenas porque não conseguem ter a humildade suficiente para assumir que falhou e precisa ser repensado. Estes comportamentos a manterem-se comprometerá de forma irreversível o futuro da Europa arrastando-a para um ponto de não retorno.
    Obrigada pelo excelente texto.

    ResponderEliminar
  2. Muitissimo certas as palavras e sentido total do texto. Parabéns, Amigo Joaquim Tapadinhas.

    ResponderEliminar
  3. E veja-se a birrinha do inglês, que, para conseguir o que quer, basta ameaçar que se vai embora e dão-lhe logo o brinquedo exigido...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.