segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Não havia necessidade


Já tinha sido um erro e que foi pago com vidas, um jornal satírico francês ter tido o mau gosto, repetido e repetido, de achar que a “sua” liberdade era achincalhar Maomé, ou seja, o islão. E agora já o veio fazer com o cristianismo!

Temas há, que têm — devem — de ser abordados com muita seriedade e cuidado, nos quais se incluem sexo e religiões/Igrejas. (.)

Quanto ao satírico jornal francês, nada mais haverá a dizer.

Quando ao Bloco de Esquerda, para fazer passar a mensagem que venceu na sua “igualdade” em casais do mesmo sexo poderem adoptar filhos, ter feito uma comparação com Jesus Cristo ter tido dois pais do mesmo sexo, que conforme dizem as Escrituras seriam Deus e José, é de muito, mas muito mau gosto.

Quem “isto” escreve estará um pouco à vontade para o fazer, dado já ter sido crente, mas pelo andar da vida ter deixado de o ser, pelo que nem com Maomé, nem com Jesus Cristo, nem com o Messias que há-de vir dos judeus se melindra.

Mas considera de muito mau gosto terem de ser usadas estas “tácticas”, quer para ganhar dinheiro como o jornal em Paris, quer para passar a mensagem de vitória de um modelo defendido pelo Bloco de Esquerda.

 Claro que não são casos únicos, mas são dispensáveis.

E tem o efeito totalmente contrário ao que por certo se quereria, no caso o Bloco, que não foi estar a passar a mensagem de que a vontade que tiveram, discutível, de casais do mesmo sexo conseguirem adoptar crianças está legalizada; e ficou a confusão de se terem metido numa área que melindra muita gente, num país potencialmente católico de Roma, como é o nosso.

E mesmo que as pessoas arranjem sempre uma desculpa para não serem praticantes, e só irem à missa de quando em vez, no fundo foram educadas na crença católica romana e não gostam de a ver ridicularizada.

E, convenhamos, “não havia necessidade”. (...)



Augusto Küttner de Magalhães, Porto

Público EDIÇÃO PORTO SEG 29 FEV 2016

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.