quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Domingues, missionário demissionário

No mais recente folhetim do romance “CGD”, António Domingues demitiu-se. Cheguei a pensar que queria esconder-nos dados de um fulgurante êxito empresarial que o tivesse levado ao enriquecimento (lícito, suponho) ou, quem sabe, a um não menos estrondoso falhanço na mesma área que, aliás, seria mau augúrio para quem ia liderar o maior negócio do Estado e, em vez de investir meios próprios, o iria fazer com dinheiros de nós todos. (Ponho fora de questão que ele não quereria que viessem a comparar essa declaração com a do final do mandato…). Afinal, enganei-me, ele acabou por entregar a famigerada “declaração”, e tudo não passou de uma birra, cara, é certo, porque o levou a desprezar um vencimento mensal muito superior aos dos mais altos representantes do País. Estará no seu direito, incontestável, mas algo, ainda, incomoda o meu intelecto: já não há vivalma que trabalhe por amor à causa, mesmo que ela seja o País, apesar de não faltar quem, em espírito missionário, insinue que passou a vida a “esfarrapar-se” pelo seu povo. Lérias… Qualquer um salva o País, desde que lhe paguem muito bem. Ganhar dinheiro (licitamente) é legítimo. O mal é esta ganância vulgarizada por quem entende que a acumulação de dinheiro é o fim último da existência humana. Podem esses ir para o Inferno, que o Diabo já lá está!

P.S.: Se, para além do que é público em todo este processo CGD, há outras coisas que eu desconheço, quererá alguém esclarecer-me?

Público - 30.11.2016 - truncado das partes sublinhadas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.