quarta-feira, 19 de abril de 2017

Ignorância atrevida

Que a ignorância é atrevida temos a cada passo imensos exemplos por todo o lado. Mas o que é mais triste na ingnorância é o ignorante andar convencido que ignorantes são os outros.
E o caso presente do surto de sarampo é mais um caso típico da estupidez humana, que Einstein dizia ser infinita.
Acaba de ser anunciada a morte de uma moça de 17 anos, não vacinada contra o sarampo, contaminada por uma criança também não vacinada!
O dr. Fernando Rodrigues, com a sua autoridade de médico, já aqui falou no assunto e é cada vez mais urgente destapar a careca destes sabichões.
Crianças que morrem porque os pais é que sabem e não vacinam; crianças que morrem porque os pais não autorizam uma transfusão de sangue por motivos religiosos; mas como é que aos pais pode ser dada autoridade em questões de vida ou morte!
Também estre os idosos há quem defenda que a vacina contra a gripe é prejudicial e/ou inútil, pois se tiver de apanhar gripe, apanha na mesma… Conversando com o meu médico, até me confirmou que, dada a mutação constante dos vírus, até pode ser que se apanhe gripe, apesar da vacina; só que os malefícios potenciais da gripe, como a pneumonia, ficam muito reduzidos com ela.


                                    Amândio G. martins

5 comentários:

  1. Recebi há momentos a notícia de que a adolescente que morreu com um sarampo complicado, não estava vacinada por contraindicação individual devido a ter reagido com "alergia" a uma outra vacina. Como nestas coisas científicas, o rigor tem um papel fulcral, o caso dela terá sido daqueles em que a sua situação era singular e a justificar a não vacinação. Habitualmente tem a ver com alergia aos caldos de cultura onde se desenvolve o vírus vacinal, mas isso não vem ao caso aqui neste texto genérico.
    Mas, como já disse, estes casos não invalidam o que já se sabe em Saúde Pública, de grandes grupos, portanto: vacinar, vacinar. vacinar!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Temos que agradecer este esclarecimento tão importante que desmente e corrige o que a imprensa tem divulgado, nomeadamente o Expresso que diz: “A jovem que morreu com sarampo esta quarta-feira no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, não estava vacinada por opção da família. Fonte médica revelou ao Expresso que a mãe da rapariga de 17 anos é antivacinas e adepta da homeopatia. Além de não ter protecção contra o sarampo, também não tinha outras vacinas do Programa Nacional de Vacinação.” Renovo o meu agradecimento ao Dr. Fernando Rodrigues

      Eliminar
    2. Mais uma vez em nome da informação correcta, a notícia que me chegou foi através do PÚBLICO "online" e daí vale o que vale. No entanto a situação que referi (alergia) é plausível pois existem essas situações. Termino com uma "palavra de calma" pois, como a Direcção Geral de Saúde tem dito, o surto epidémico deverá ser limitado pois a percentagem de pessoas que estão imunizadas ( ou porque foram vacinadas ou porque tiveram a doença) é bastante elevada! E aproveito para dizer aquilo que nem todos sabem mas, até por "orgulho pátrio", necessitam saber: o sistema de vacinações português é dos melhores do mundo! E é público, como mandam as regras.

      Eliminar
  2. Se este triste desfecho puder servir de alerta sério para os que negligenciam a importância da vacinação já não terá siddo de todo em vão o sacrifício da jovem...

    ResponderEliminar
  3. Se este triste desfecho puder servir de alerta sério para os que negligenciam a importância da vacinação já não terá siddo de todo em vão o sacrifício da jovem...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.