segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Somos estúpidos, ou atrasados mentais?

Não é a primeira vez, nem certamente será a última, que os nossos políticos nos tratam como se fôssemos estúpidos. Mas agora, ainda no decurso do "folhetim" CGD, o PCP e BE forçaram a nota de uma quase chantagem política à oposição, quando denunciam a decisão da constituição de uma nova comissão de inquérito na AR, como uma tentativa de destruir a Caixa. Ó senhores, o que tem uma coisa a ver com a outra? Se a Caixa ainda estivesse paralisada como esteve meses atrás, até se poderia compreender. Mas nestas circunstâncias, de haver uma Administração (até ver, competente) em plenitude de funções e um plano de reestruturação a ser implementado, a denúncia cheira a chantagem política. Objectivamente, trata-se tão só de apurar, em definitivo, sem mais sofismas, se um ministro mentiu ou não à Assembleia, o que não me parece coisa pouca.Também não gostei, sinceramente, de ouvir o meu Presidente proclamar o assunto como encerrado, embora ele tenha acrescentado que se referia a ele próprio. Presidente Marcelo, sabe bem que não pode confiar em ninguém, e o seu maior trunfo político, que a meu ver o elegeu (e o poderá manter no futuro) é a sua independência de partidos e "lobbies". Mas ás vezes, sabe bem, que até pode parecer que não é sim. E em política, o que parece, é mesmo!
Obs. Este artigo foi publicado na íntegra no jornal Público, edição de 21/2/17.
Também foi publicado no semanário Expresso, na sua edição de 25/2/17.

15 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigado cara Amiga, já tinha visto. É de salientar pois sou políticamente incorrecto, qq dia fico completamente marginalizado. Quem sabe, tere de pedir asilo por delito opinião...

      Eliminar
  2. Não exagere Manuel! Esse "lamento" (o da sua resposta) já quase todos nós o tivémos, em diversos tons, e... cá estamos! Mas, como já o disse várias vezes, é uma boa "dica" para o nosso encontro de Março...

    ResponderEliminar
  3. Caro Fernando, não sei a sua idade, mas eu vivi no tempo de Salazar, em que os que não eram por ele, teriam forçosamente de ser entendidos do contra. Agora, na minha modesta opinião, passa-se o mesmo. A mesma ou até mais agressividade verbal e escrita, contra quem tenha uma opinião contrária à da "situação". Por isso sou poucas vezes publicado, e quando tal acontece, lá me convenço que vale a pena continuar. Água mole em pedra dura... Um abraço e até breve, se Deus quiser.

    ResponderEliminar
  4. Tenho 71 anos, Manuel. E também não tenho saudades do tempo do "botas". Quanto à nossa relação com os jornais, acho mesmo que, todos, poderemos e deveremos falar disso no próximo encontro, palavra! Até breve!

    ResponderEliminar
  5. Este comentário vai para ambos, o Manuel e a Céu. Ao primeiro digo: está a ver como o publicam?...
    Aos dois uma pergunta sobre o que não entendo: como diabo falam da publicação no jornal de dia 20 ( o Manuel "ajeita" hoje com um Obs...) quando o texto somente aparece hoje no dia 21???. Palavra, gostava mesmo de saber!
    Elucidem-me por favor para eu aprender esses dons premonitórios!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. fERNANDO,também não percebo!! Acho que a carta saiu duas vezes!!

      Eliminar
  6. Não saíu não Céu! No de ontem não apareceu essa carta do Manuel. Apareceu sim outra do mesmo autor ( "CGD fragiliza o Governo, não o ministro")...

    ResponderEliminar
  7. Meus Caros Amigos Céu e Fernando, fico honrado e até sensibilizado com a atenção (imerecida) com que me mimam. Efectivamente, fui publicado duas vezes seguidas, com artigos diferentes. Posso a propósito, informá-los do seguinte. Eu só escrevo, com se calhar já notaram, quando tenho ânsias disso e tema merecedor. E quando acontece, só envio para os dois únicos jornais que assino, o Público e o Expresso. Ora, como também já viram, é difícil a um "políticamente incorrecto" ser publicado nos nossos dias, aqui ou mesmo no estrangeiro. Há muita coisa que pensamos ou sentimos, que não podemos escrever ou dizer em público. É por isso mesmo que as sondagens do Brexit e Trump deram desilusão. os inquiridos não disseram a verdade! Por isso há semanas, depois de o David Dinis passar a dirigir o Público, tive de protestar contra uma eventual censura. Não obtive resposta directa, mas hoje já não sinto motivo de protesto. Um abraço amigo aos dois.

    ResponderEliminar
  8. Também fiquei a pensar em que PÚBLICO do dia 20 vinha a referida publicação do confrade Manuel Alentejano. Nesse dia publicaram um texto meu, acerca da 'grande obra literária' Quinta-feira e outros dias. Mas, hoje - 21/2, efectivamente, veio publicado 'Somos estúpidos, ou atrasados mentais?'.

    ResponderEliminar
  9. Volto a insistir: no nosso próximo encontro, em Março, é "importante" ( o que é importante?...falarmos dos "defeitos" dos jornais mas também dos nossos "defeitos" e... da relação entre os dois. Aqui vai, mais uma vez, a "dica"!

    ResponderEliminar
  10. Agora que a confusão parece sanada, deixem-me dizer o seguinte: também já tinha reparado na publicação de textos em dias consecutivos, embora com assinaturas diferentes, mas pertencentes à tríade (pelo menos) de heterónimos do nosso companheiro de escritas. Coisa estranha para quem repete queixas de ostracismo. O que me parece é que todos, de esquerda e de direita, sofremos do mesmo mal. Convinha era não sofrermos também do mal dos treinadores e dirigentes do futebol, para quem a culpa é sempre do árbitro. Cumprimentos a todos.

    ResponderEliminar
  11. Senhor Rodrigues, peço a V. Exa., caso esteja disponível, para me esclarecer as "assinaturas diferentes" a "tríade" e o "ostracismo", que francamente, talvez pela modéstia das minhas células cinzentas, não consegui entender.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até parece que o senhor precisa das minhas lições. Não é verdade, o que resulta evidente quando se lê os textos que produz, com os quais, muitas vezes, não concordo, mas a que aprecio a qualidade. Sinto-me “obrigado” a dar-lhe as respostas que me pede, embora tenha a certeza de que o senhor delas não precisa.
      “Manuel Martins” é diferente de “M. Martins” e ambas as assinaturas são diferentes de “Manuel Alentejano”. Note que me parece evidente que, neste blogue, ninguém ignora tratarem-se da mesma pessoa, o que o iliba de qualquer intenção de baralhar identidades. Esse não foi o meu propósito. Como são três, saiu a tríade, mas podia ter sido “troika”, estrangeirismo que preferi evitar.
      Quanto ao ostracismo, refiro-me, como é evidente, à sua permanente sensação de estar a ser excluído das publicações pelo facto de (pensar) ser “politicamente incorrecto”. Por último, um pedido: não me chame por V. Exa. Fica mal a ambos.
      Melhores cumprimentos.

      Eliminar
  12. Senhor José Rodrigues, tomei boa nota da sua réplica, humorada, educada e inteligente, "comme il faut". Sinto-me também obrigado, sem aspas, a contra-replicar. Assinei M. Martins, para economizar texto, por mero acaso, já nem me lembro. Mas quem me conhece, não é se calhar certamente o seu caso, não me confunde. Espero que o José de futuro também o não faça. Já quanto ao manuel Alentejano, é diferente. É um alias, ou pseudónimo, se quiser. Uso-o aqui, porque a minha conta electrónica é idêntica à que uso no FB, apesar de só aqui aceitar ter 140 amigos, dos quais 110 são amigos de carne e osso, sabem bem quem eu sou. Mas eu lido com o FB com pinças, jamais lá publiquei fotos minhas, da minha Mulher, dos meus filhos e muito menos dos meus 6 netos. O meu perfil lá descrito, é 100% verdadeiro, em factos ou posições políticas, mas defendo a minha identidade face a quem não conheço. Quando alguém se expõe, em diálogo directo (Messenger), colegas da Faculdade, com a mesma ideologia política ou gostos pessoais, então eu também me identifico melhor. Espero ter sido esclarecedor. Os meus cordiais cumprimentos.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.