sexta-feira, 8 de julho de 2016

A ALIENAÇÃO EM TORNO DA SELECÇÃO

A enorme alienação em torno da selecção nacional explica-se pela entrega do eu a um poder exterior, ao futebol, a uma religião, pelo concentrar de todas as expectativas (e de toda a vida) no desempenho de 11 indivíduos em campo. Como afirma Erich Fromm, "tornando-se parte de um poder que é reputado de inabalavelmente forte, eterno e fascinante, a pessoa participa na sua força e glória. Ela renuncia ao seu eu e a todo o vigor e orgulho a este associados, perde a sua integridade como indivíduo e abre mão da liberdade". A pessoa afasta-se da necessidade de tomar decisões e livra-se da dúvida acerca do sentido da vida, embora ganhe segurança. No fundo, é a sociedade-espectáculo: o indivíduo deixa de viver a sua própria vida, que é vivida por Ronaldo e companhia e os festejos são ilusórios pois depois voltam a escravidão e o trabalho de sempre.

2 comentários:

  1. A alienação é necessária a qualquer individuo desde que seja qb e dentro do razoável. Todos deveríamos saber alienar de vez em quando, pois a vida se tornaria mais leve.
    O perigo está no grau de alienação, que sendo exagerado se transforma em obsessão ou fascinação. No entanto penso que isso só é reflectido numa minoria que através do futebol dá vazão a todo o tipo de disparates.
    Quantos de nós vivemos com entusiasmo os sucessos de quem nos rodeia e não deixamos por isso de esquecer o Eu e viver o Eu…

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.