domingo, 3 de julho de 2016

Camilo de Oliveira, adeus!

Num dia de luminosidade acima da média, em que a vida jorra por todos os poros, tu, Camilo de todos os palcos, partiste para lá da nossa dimensão humana.
Já há tempos tentava dilatar este triste desfecho, todavia o meu coração dizia-me que a tua estada no palco da vida estava prestes a finar-se.
E hoje vi-te voar tal como um cometa angelical a caminho do todo o sempre.
Lembro-me de todos os ‘sabadabadus’, com a impagável e saudosa Ivone Silva, tal como tenho ainda na retina as tuas hilariantes exibições no Teatro Sá da Bandeira, no Porto, tendo Florbela Queirós por companheira de todas as alegrias teatrais da revista à portuguesa.
Adeus, Camilo! O Teatro está de luto.

José Amaral

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.