segunda-feira, 17 de julho de 2017

Ao meu avô João Miguel

Não tive a sorte de te ver
Porque cheguei atrasado
Se não te pude embevecer
Mais tarde pude perceber
Por que eras estimado.

De Serreleis oriundo
E a Gondufe ligado
Com Viana ali ao fundo
Conhecias meio mundo
Pelas funções de “louvado”.

Zaragata recorrente
Em feiras e romarias
Com aquela tua gente
Acabava de repente
Constando que tu lá ias…

Podia não ser verdade
Que ali te deslocavas
Mas a possibilidade
Criava ansiedade
E dava  fim às pauladas.

Bastava que se ouvisse
No animado aranzel
Por alguém que viu e disse
“Parem com essa tolice
Anda aí o João Miguel”!

E voltava o sossego
Antes que tu assistisses
Parava ali o folguedo
Não por que tivessem medo
Tinham vergonha que visses…

Amândio G. Martins




Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.