quarta-feira, 19 de julho de 2017

Deslumbrada

Sonho a realidade confundiu
Na sua vida leve e mentirosa
Pagando por ter sido presunçosa
Na certeza da ventura que fugiu…

Porque nunca receou  não o previu
Por se julgar prenda maravilhosa
Mas quando deu nas vistas ser manhosa
O que assentou em mentiras ruíu!

A muitos enganava tanto charme
Que era apenas leviandade sua
E não deixou ver sinais de alarme.

E por já não haver a quem engane
Parecendo bem vestida vai tão nua
Que não tem que temer quem a difame.

Amândio G. Martins


2 comentários:

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.