quinta-feira, 27 de julho de 2017

DEIXA-ME FICAR

Deixa-me ficar
no exacto momento em que tudo acabou,
no exacto instante em que da explosão dos corpos
a eternidade nos inundou o olhar,
no exacto segundo em que fomos um átomo
no firmamento da paixão.

Deixa-me ficar,
pois enquanto acordo, saboreio,
enquanto saboreio, sinto
e enquanto sinto,
volto ao exacto instante em que,
uma simples troca de olhares,
um simples toque de pele
um sereno e subtil arrepio
mudou o meu mundo para sempre.

Deixa-me ficar assim,
que logo me darei de novo
com a urgência de uma primeira vez
bebendo a ternura das tardes longas
em que ficamos ,
entrelaçados, rumo ao amanhecer.

©Graça Costa



11 comentários:

  1. Mais uma vez, a sua poesia sensual e amorosa agradou-me imenso!

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. muito obrigada pela leitura e pela generosidade do comentário .

      Eliminar
  3. Algo me dizia que a Graça ia aceder à minha sugestão . Nem imagina como lhe estou grato. Obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada . O outro apenas eliminei por ser em inglês - em português de vez em quando coloco aqui uns mimos - nem toda a gente aprecia, mas a vida é mesmo assim. Bem haja .

      Eliminar
  4. Respostas
    1. fico grata por ter lido e pelo comentário generoso. bem haja

      Eliminar
  5. A Graça é uma grande poetisa. E não se põe, nem precisa, por-se em bicos-de-pés. Parabéns por isso, e por mais este belíssimo poema.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. muito obrigada pelo mimo. sabe muito bem. Beijinho

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.