segunda-feira, 31 de julho de 2017

Do voluntarismo

Não há coisa melhor no mundo do que a boa vontade, com a qual se podem remover na vida todo o tipo de empecilhos; mas nas sociedades ditas organizadas usa-se contra ela a expressão “de boas intenções está o inferno cheio”…
O economista Ricardo Reis, professor na London School of Economics conta, na sua coluna do caderno Dinheiro Vivo, do JN, um episódio exemplar daquela minha introdução. Diz ele que num parque público de Toronto, no Canadá, há um acesso em rampa íngreme para o qual os habitantes reclamam da câmara uma escada que facilite às pessoas lá chegar, mas esta autarquia não dispõe de imediato do montante para a obra, que pode custar entre 50 a 100 mil euros.
Um reformado inconformado decidiu reunir apoios e construír uma escada em madeira, que lhe custou 375 euros e resolveu o problema dos frequentadores daquele parque, só que a câmara bloqueou logo aquilo por ter sido construído à sua margem e constituír um perigo para a segurança pública, o que revoltou os residentes.
Diz o professor Ricardo Reis, na sua análise, que ambos os lados têm razão e os seus argumentos são um bom exemplo do dilema entre privado e público. Por um lado, é claro que as pessoas não podem construír acessos no espaço público quando e como querem. Se cada um pudesse construír o que lhe apetecesse, não ia haver uma rua ou passeio transitáveis; por outro lado, se uma comunidade se junta e resolve um problema entre si, ainda bem.
Por um lado, é claro que têm de existir regras de segurança  sobre como construír escadas na via pública; por outro lado, quando essas regras levam a que o preço de qualquer obra pública custe 100 a 200 vezes mais, também é claro que temos regras a mais cuja principal função é servir grupos de interesse.
Por um lado, aquele cidadão que meteu mãos à obra pode ter boas intenções, mas ao louvá-lo estamos a abrir o precedente para qualquer aventureiro achar que ele é que sabe resolver um problema público; por outro lado, a ineficácia de qualquer Estado moderno, em que até resolver um problema simples demora anos e custa fortunas, derrota qualquer visão idealista do Estado.


Amândio G. Martins

2 comentários:

  1. Magnífico "dilema" para pensar! Por mim, tendo a pensar que um dos problemas são as pessoas que elegemos, que gostam pouco do Estado mas... estão "lá dentro". Aqui é estranho ser em Toronto...

    ResponderEliminar
  2. Olhe, também me assaltou a mesma dúvida: no Canadá também se passam coisas destas...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.