domingo, 30 de julho de 2017

Falsas promessas

Toda encanto e magia
Nos olhinhos feiticeiros;
De exuberante alegria
Dava atenção desmedida
A bisnaus interesseiros…

Bem carente era de amor
Num vendaval de ilusão;
Mas aquela vida em flor
Não tinha ainda o rigor
De ver a quem dar atenção.
.
Sem se dar conta de nada
Foi pelo falso desvelo;
E tristemente enganada
Com a má-fé descarada
De quem lhe mostrava zelo.

De gestos pouco pensados
Impossível entendê-la;
Para mal dos seus pecados
Os amores mascarados
Acabaram por tolhê-la.
Inexoráveis os anos
E cruel realidade;
Enganos e desenganos
Viu ruírem lindos planos
Hoje chora de saudade!


Amândio G. Martins

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.