domingo, 30 de julho de 2017

Lista de mortos é arma de arremesso(!)

A relapsia do desgoverno anterior na floresta foi evidente. A líder do CDS, enquanto ministra da
Agricultura durante 4 anos, nada relevante fez a favor da floresta nacional. Ao invés, subsidiou
plantações a esmo de árvores combustíveis - eucaliptos! Pelo mortífero fogo de Pedrogão, pediu
a demissão da ministra da Administração Interna e ameaçou com uma moção de censura ao Governo (!). A silly season ou a insanidade não podem ser justificação, para tanto despautério político.
   As energias deveriam ser canalizadas para construir soluções a estas inauditas calamidades sucessivas e procurar resolver a incompetência repetida do SIRESP, com falhas continuadas nas
comunicações para combater os fogos.
  A direita extremada, (ainda) ressabiada, criou um facto político pela ‘não divulgação da lista de  mortos’ de Pedrogão Grande. O PSD e CDS usaram-na como arma de arremesso político. Censurável, miserável e desrespeitoso usar os mortos para esgrimir politica-mente seja o que for! As listas já tinham sido publicadas no CM. Houve um alarido esquizofrénico sobre isto. A
oposição devia, sobretudo os deputados eleitos pelos círculos onde o fogo matou, ter estado com as populações afectadas e em sentimento de perda.
   Estas catástrofes devem alavancar uma vontade férrea, por parte do Governo e de todas as
instituições que lhe digam respeito, na procura de novos paradigmas para obviar este gravíssimo
problema dos incêndios. A sociedade civil deve fazer parte integrante.

                                             Vítor Colaço Santos


2 comentários:

  1. A gente vai à procura do José e encontra.... o Vítor! O que também não é mau! Bom dia aos dois!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meras questões logísticas. Bom dia para si também e, já agora, para todos.

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.