quinta-feira, 20 de julho de 2017

Direita e Esquerda.




Quando um tipo de direita não gosta de armas, não as compra.
Quando um tipo de esquerda não gosta de armas, quer proibi-las.
Quando um tipo de direita é vegetariano, não come carne.
Quando um tipo de esquerda é vegetariano, quer fazer campanha contra os produtos à base de proteínas animais.
Quando um tipo de direita é homossexual, vive tranquilamente a sua vida como tal.
Quando um tipo de esquerda é homossexual, faz um chinfrim para que todos o respeitem.
Quando um tipo de direita é ateu, não vai à igreja, nem à sinagoga, nem à mesquita.
Quando um tipo de esquerda é ateu, quer que nenhuma alusão a Deus ou a uma religião seja feita na esfera pública, excepto para o Islão
Quando a economia vai mal, o tipo de direita diz-se que é necessário arregaçar as mangas e trabalhar mais.
Quando a economia vai mal, o tipo de esquerda diz que os sacanas dos patrões são os responsáveis e param o país.

Tese final:
Quando um tipo de direita ler este teste, fá-lo seguir.
Quando um tipo de esquerda ler este teste, não o transfere de certeza. 

Notas: - Recebido no correio electrónico  -  Adicionei a imagem e alterei  o titulo. Discordo da tese     final pois não sendo de direita, fi-lo seguir.


29 JUL 2017 Transcrita no editorial da revista do Jornal SOL




11 comentários:

  1. Todas as anedotas, caricaturais por natureza, fazem rir. não há dúvidas. Um exemplo são as sobre pessoas negras ou alentejanso. Se têm chiste e "inteligência"... a gente ri-se. Depois vem a análise do conteúdo e o caso pode mudar de figura ou não. Eu, do texto que reenviou, também me ri, pode crer. Tem chiste, tem "inteligência" e é... caricatural. Felizmente que o Jorge Morais se comportou como "um homem de direita que não é" pois deu-me a oportunidade de dar uma gargalhada!
    Nota: não consegui interpretar a imagem que adicionou. Fiquei sem saber se era um esboço dum aplauso, de "mãos limpas", de ofertório, ou outra coisa qualquer.

    ResponderEliminar
  2. Se ler novamente o texto, vai ver que não é anedota e caricatural não tem nada. É a realidade. Ou não é? Por isso mesmo o transcrevi e enviei aos meus amigos, conhecidos e familiares. E pelos exemplos dados, concordo com os tipos de direita aliás como o Fernando Rodrigues concordará com os tipos da esquerda. Problema seu. Na prática do dia a dia, que é isso que para mim conta, tento ser um tipo direito como já afirmei. Politicamente falando, malho nos dois lados, mais propriamente naquele que esteja errado. Quanto à imagem, nem acredito que tenha dúvidas.
    Nota: Afinal, reenvia ou não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Respondendo às sua perguntas: não é a realidade e não reenvio, isto porque uma caricatura não passa a ser uma verdade. E percebo que a sua noção do que é ser independente é a imagem de quem se vê ao espelho. Está no seu direito.
      Quanto à imagem, dá-me direito de ser "lerdinho" e continuar a não a conseguir interpretar? Em vez de "não acreditar", acredite e explique-me. Quer a minha palavra de honra ou basta o pedido?
      E deixe-me perguntar-lhe: do que é nos meus textos e comentários de ordem política, acha mesmo que só "concordo com os tipos da esquerda"? Só não concordo que os "tipos da direita" queiram vilipendiar a social-democracia, usando-lhe o nome ( o que é táctico mas nojentamente abusivo), bem como com "os tipos da esquerda" que não confessam a sua filiação ideológica e/ou partidária. Quanto à independência, julgo ser uma noção que não existe em política, por mais que alguns tentem que ela passe a existir. Como você diria, ou não?

      Eliminar
    2. Começando pelo fim, essa do “nojentamente abusivo” já Sá Carneiro - que agora a esquerda diz “Sá Carneiro, sim” , ou os “psd nem respeitam Sá Carneiro” - não conseguiu inscrever o PPD na I.S. ( na altura a família social democrata) pois disso foi impedido e todos sabemos a razão. Saltando para a imagem, quis apenas abrilhantar o texto, procurei, vi punhos erguidos, mas como ambos simbolizam a esquerda – desisti. Não ia colocar Deus e o Diabo, pois em ambos os lados há as duas coisas. Até que vi estas duas mãos, uma esquerda outra direita e olhe, chutei as mãos que tinha mais à mão. É certo que se pode correr o risco de ser visto por aquele cirurgião que viu a radiografia ao contrário e amputou a perna errada à senhora, mas espero que não. Quanto a “independência” e ser “direito” é isso que me considero pois se ler cartas minhas (algumas não publicadas) a bater e bem num governo do partido em que votei, irá entender ao que me refiro, o mesmo se passando quanto ao clube de futebol com que simpatizo. E quanto a este ponto, apresente-me alguém da esquerda deste blogue que discorde no mínimo de alguma medida deste governo. Pelo contrário, já me viu a aplaudir certas medidas. E já agora tome nota p.f.– nunca ponho os meus interesses à frente daquilo que considero injusto. E com isto tudo, já me esquecia de lhe dizer ser desnecessário dar a palavra de honra para uma coisa sem importância. E em jeito de remate, peço-lhe desculpa por ainda não lhe ter agradecido os seus votos de boas férias, pois conforme escrevi na altura, fiquei sem internet no outro hotel, pensei que chegando a casa o faria, mas tinha a caixa do correio de tal maneira cheia, e como sou incapaz de mandar para o lixo sem ler, nem que seja em diagonal o mesmo se passando na firma, atrasei tudo. Mas ainda falta dar uma resposta sobre essa carta, tenciono voltar ao assunto.

      Eliminar
    3. Caro Sr. Morais, já partilhei oportunamente um texto semelhante a este. Tudo o que fôr politicamente incorrecto e ponha em causa a actual "situação", contam comigo. Esperei 43 anos por ver cumpridas tantas promessas, e agora, como com Salazar, nem a crítica simples é livre? Afinal para que serve votarmos de 4 em 4 anos?

      Eliminar
    4. Já agora considero absolutamente indecorosas as referências por sectores de esquerda sobre Sá Carneiro, a começar por Mário Soares, que o quis "santificar". Julgam que já nos esquecemos quando recorreram a uma miserável violação do sigilo bancário e crucificaram FSC, chamando-o e escrevendo em todos os muros LADRÃO, por dever (salvo erro) dois mil contos ao BESCL.

      Eliminar
  3. Quando era novo, muito novo, esfalfei-me a procurar um mundo assim tão simples. Cheguei à conclusão de que não existe. Ainda bem.
    Quanto à gargalhada do Fernando, partilho-a completamente. E esclareço já que não reenvio.

    ResponderEliminar
  4. Eu, quando era muito novo, esfalfei-me com outras coisas próprias da idade. E já agora, quanto à imagem e apenas por curiosidade, também partilha a dúvida do Fernando ou consegue decifrá-la? Quanto a não reenviar, já sabia que o José Rodrigues não tem espirito para isso. Por aquilo que aqui acaba de confessar, começou a envelhecer desde muito novo. Eu, confesso, tento manter o espirito jovem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como pode constatar, falei da minha juventude, não da sua, que é um assunto pessoal seu. Tal como a forma como envelhece.
      Quanto ao meu espírito para estas coisas, está enganado. Amiúde, reenvio coisas, mas... "disto", não. Tenho alguma selectividade.
      E, de repente, dou conta de que não estamos a discutir ideias. Será culpa minha? Se for, peço desculpa.

      Eliminar
  5. Procurei, procurei e não vi nem uma palavra, nem minha, nem do Jorge Morais, nem do José Rodrigues em que se vislumbrasse sequer um intuito de "tirar" liberdade a alguém! Leituras diversas sim, mais nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu sr. FR, nunca referi o seu nome ou algum outro companheiro nosso aqui. Falei na "situação", e nos seus dirigentes, quando muito. Esses é que podem (e fazem) o politicamente correcto, e tentam afastar ou destruir qualquer um que se lhes oponha. Os meus companheiros aqui, escribas neste blog, que eu saiba não têm esse poder. Não quer dizer que não fariam o mesmo, se o tivessem... Eu não preciso de dar exemplos recentes, mas enfim. Dois: o PM e o ministro Santos Silva "decretaram" como encerrado o assunto GALPGATE, sempre que qualquer jornalista perguntava por esclarecimentos. Se não fosse uma PGR com coragem física, estaria tudo encoberto. Mas grave ainda, o presidente da AR a ridicularizar a investigação da PGR, como se os procuradores fossem atrasados mentais. Nos EUA o Congresso exigiria a sua imediata demissão. Aqui, na "situação" ninguém tossiu nem mugiu. Para mim, claro, é uma vergonha para o país e os envolvidos perderam o pudor, a vergonha na cara.

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.