domingo, 30 de julho de 2017

Os que gostam de broa e os "broeiros"

A minha querida amiga e colega Sónia, se ler este título já deve a estar a rir-se! Não sabendo o que significava a palavra, aqui há uns anos e quando eu era seu director de serviço, numa fila no refeitório e quando eu retrava dois ou três pedaços de broa de milho, disse delicadamente que eu era muito "broeiro". Ainda hoje, quando nos encontramos, nos rimos da "língua ser traiçoeira".
Serve isto de introito ao que aqui me traz, desencadeado pelo texto - Jesus não gostava de broa? (2) - de Frei Bento Domingues no PÚBLICO de hoje e que é a segunda parte dum outro, com o mesmo título, publicado no passado domingo. E  que fustiga o a "sua" Igreja, mormente o Cardeal Sarah, pelo "pecado" de colocar as mediações litúrgicas e sacramentais  antes da partilha, quer esta última seja feita "com gluten ou não". Elogia o Papa Francisco (leiam o texto, por favor!), diz porquê e diz, com ironia fina, que "Jesus não gostava nem desgostava de broa (de milho, que é isenta de gluten) pois se calhar nem a conhecia".
Querida Sónia, vê agora a diferença entre quem gosta de broa e quem, mesmo gostando, a acha indigna de "fazer parte do corpo de Cristo"? Os últimos são... os "broeiros!

Fernando Cardoso Rodrigues

1 comentário:

  1. Frei Bento Domingues, que sempre que o ouço me deixa maravilhado, deve andar feliz com esta papa. Numa entrevista na tv, aconpanhando o conclave que antecedeu a eleição de Francisco, perguntado que tipo de papa esperava ele, respondeu desta forma que achei maravilhosa: "gostava que fosse um papa cristão"...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.