quarta-feira, 26 de julho de 2017

O fogo não pegou


A direita incendiária queria mais mortos, como se tivessem sido poucos. Muniu-se da acendalha, a lista das vítimas mortais, e riscou o fósforo. Depressa verificou que o combustível e a opinião pública comburente não estavam muito colaborantes. Ainda assim, insistiu. Armou-se em forte e marcou prazos. Afinal, a lista não lhe fez a vontade e, derrotada e apagada, proclamou que o assunto está encerrado.

Não é só o Governo que encerra assuntos.

2 comentários:

  1. O seu texto, José, é o exemplo de como se pode escrever acutilantemente com poucas palavras. Óptimo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes, apanhamos a realidade distraída e, à falsa fé, surripiamos-lhe a simplicidade. Mera sorte, nada de mais.

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.