terça-feira, 25 de julho de 2017

País de fenómenos

Desde que um trambiqueiro qualquer inventou suicídios para tornar as coisas ainda mais negras, alimentando a política suja do seu Partido, que depois se viu obrigado a desmentir, a Direita não tem descansado à procura de cadáveres.
E tendo os corpos das vítimas da grande tragédia sido recolhidos e transportados para as morgues onde foram autopsiados, identificados, tornado público o seu número e feito os funerais, como entender que haja agora afirmações no sentido de que as vítimas são mais numerosas e o Governo as quer esconder?! Ou será que ainda haverá esqueletos calcinados dispersos pelas matas ardidas e as respectivas famílias não deram pela sua falta…
Desnorteados por não conseguirem argumentos válidos que os ajudem a negar os resultados positivos alcançados pelo país desde que a subespécie de governantes que apoiaram foi corrida, aos “merdafones” da Direita servem os argumentos mais rascas.
Assim, qualquer traque que uma figura preponderante da Esquerda largue já os enche de júbilo; ora é o Ferro que não podia ter dito “aquilo”, o Santos Silva que só diz sandices mas que anda calado com o que se passa na Venezuela, enfim, querem poder ter a guela escancarada para todo o tipo de inanidades, ao mesmo tempo que gostariam de tapar a boca das pessoas de quem não gostam…
Pela aceitação impensada de viagens pagas para ir ver jogos de futebol, o país perdeu vários Secretários de Estado, dois deles de elevada craveira, como os das Finanças e Indústria, e concordo inteiramente com o que disse Ferro Rodrigues, por só ao fim de um ano serem constituídos arguidos, até muito depois de terem devolvido os valores de que teriam beneficiado.
Santos Silva é um competente ministro dos Estrangeiros, competência que o obriga a não dizer disparates acerca da Venezuela, sabendo bem que, se o fizesse, só agravaria a situação da multidão de compatriotas que lá vivem.

Amândio G. Martins


6 comentários:

  1. Dum modo global, apoio o conteúdo do seu texto. Sabe, estou "morto" ( salvo seja, senão ainda me "obituavam" em Pedrogão, para aumentar...) que todo o tal "célebre número" seja totalmente esclarecido, para ver o que se vai dizer a seguir.

    ResponderEliminar
  2. Ne verdade, a guerra suja que a Direita vem protagonizando, apoiada nalguma imprensa ao seu serviço não pode deixar de causar perplexidade. Então o Governo do país anda a esconder cadáveres; e qual a vantagem que pretenderá colher de tão macabra coisa? E será ao Governo que cabe contar defuntos; não houve autópsias, certidões de óbito; enterraram-se pessoas clandestinamente? Nos jornais televisivos de ontem ouvi um trambolho dar 24 horas ao Governo para divulgar o nome dos mortos...Só mesmo com um encharcado de bosta no focinho daquele "quisto sebáceo" !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida:


      - ....apoiada nalguma imprensa ao seu serviço não pode deixar de causar perplexidade.

      Eliminar
  3. Estou completamente de acordo com o seu texto 'País de fenómenos, no qual pululam muitos trambiqueiros, inventores das maiores pulhices.

    ResponderEliminar
  4. Desculpem-me o modo telegráfico:
    A)Vítimas de Pedrógão
    1.Se é verdade – e duvido – que o Governo está a esconder alguma coisa, não o devia fazer.
    2.Noticiar 64 em vez de 65 mortos dá assim tanta vantagem na eventual perda de popularidade?
    3.O Governo tem sido desajeitado; a oposição de direita borrifa-se no luto e na dor.
    4.Se o Governo tem poderes para levantar o segredo de justiça e não o faz, alguma razão haverá. Há especialistas que recomendam essa decisão.
    5.Caso se provem mentiras em notícias e listas postas a circular, só espero que alguém de direito aja judicialmente contra os autores, mesmo que o tenham feito em desespero de sofrimento. Não vale tudo.
    B)Ferro Rodrigues
    Já aqui o escrevi: preferiria que não tivesse dito “aquilo”. O que não invalida que, apesar da abjecta tentativa de assassinato político de que foi alvo há uns anos, continue a ser um político, parlamentar, dirigente partidário e presidente da Assembleia da República de primeira água.
    C)Santos Silva
    Pessoalmente, não aprecio o estilo. Mas já mostrou saber da “poda” e, no que toca à Venezuela, quem o critica demonstra enorme ignorância sobre o que está em jogo.

    ResponderEliminar
  5. Sem dúvida:

    - ….a Direita não tem descansado à procura de cadáveres.
    - Ou será que ainda haverá esqueletos calcinados dispersos pelas matas ardidas e as respectivas famílias não deram pela sua falta…
    - Pela aceitação impensada de viagens pagas para ir ver jogos de futebol,….

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.