quinta-feira, 28 de abril de 2016

NOGUEIRA A MINISTRO, JÁ!

 

"O Ministério da Educação propôs mais encontros com os sindicatos dos professores. Nessas reuniões, serão avaliadas as políticas do ministério e propostas novas medidas para a Educação". Este foi um despacho do DN, que é bem elucidativo da postura do ministro da Educação neste governo. Aliás, agora percebemos bem melhor porque o seu Secretário de Estado bateu recentemente com a porta. O dirigente sindical da FENPROF, verdadeiro geronte com décadas consecutivas no lugar, tem boicotado todas as políticas de educação deste país, de todos os governos sem distinção, sejam de esquerda ou de direita. Conseguiu o que queria. Estar na cadeira do poder, sem ter de arcar com as responsabilidades e inconvenientes. Só que por mais que esta solução lhe agrade, não agrada certamente a muitos portugueses, que votaram em partidos para exercerem o poder, não votaram na FENPROF, nem na CGTP, de que a primeira faz parte. Se outros ministros viessem a seguir este triste exemplo, Portugal seria indirectamente governado pelos sindicatos. Que rica "democracia"! Nem na Venezuela de Chavez se chegou a tanto. Mas será que o PM alguma vez pensou estratégicamente? Já pensou que este ministro já foi "educado" com muitos critérios facilitistas desde o 25 de Abril, mas que então a partir de agora, sem quaisquer avaliações de professores (como a FENPROF tem defendido), os educandos, futuros dirigentes deste País, ficarão "handicapados" face aos seus contemporâneos de outros países mais exigentes? Santa paciência, haja quem mande, senão ainda voltamos à idade da pedra!

3 comentários:

  1. Quem estiver com atenção suficiente sobre os problemas do ensino/educação no nosso país, nota, sem dificuldade, que há muita gente dentro do sistema que o prejudica imenso, como é o caso deste sindicalista Nogueira. Vê-se que é um profissional de horizontes muito curtos, mal preparado e com poder de facção muito grande. Estive cerca de 30 anos no ensino e tenho algum conhecimento do meio. O grande problema do nosso país é que este tipo de intervenientes está disseminado em diversas zonas, desde as organizações sociais, aos órgãos de comunicação soccial e à política. Como diz o axioma popular, há sempre um chinelo velho para um pé doente calçar.

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito do seu experiente e conhecedor comentário, nada consigo acrescentar.

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito do seu experiente e conhecedor comentário, nada consigo acrescentar.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.