sexta-feira, 29 de abril de 2016

PASSIVIDADE E PASMACEIRA

Ontem só saí da cama para ver o Mário de Sá-Carneiro. Tinha estado a beber no Pátio, em Vila do Conde, com a Ana e com o António e, não sei o que me deu, estive na cama o dia (quase) todo. "Ah, que me metam entre cobertores e não me façam mais nada...". A verdade é que não li nem produzi. O que é certo é que volto à rua e esta gente está sempre na mesma. Sempre as mesmas conversas. Nenhum rasgo. Nenhum golpe de génio. Nenhum episódio digno dos romances de Henry Miller. Esta gente satisfaz-se com esta merda, com esta pasmaceira, contenta-se com a porra da rotina, não quer explosões nem revoluções. Eu, pelo contrário, quero isto a arder, a rebentar, não me conformo com "as risadas e as doces mentiras". Sinceramente vejo muita passividade nos meus semelhantes, culpo-os por aceitarem o "Big Brother" e o capitalismo. Culpo-os por, em dada altura, não se terem questionado, não se terem revoltado. Só uma pequena parte o faz. De resto, levam uma vida sem brilho, uma vida sempre igual, sem elevação, sem imaginação. São macacos que trepam em busca do dinheiro e do poder. São macacos que intrigam, que se invejam. Não, mil vezes estar só. Mil vezes permanecer a escrever. Mil vezes ser como Nietzsche. Mil vezes ser Zaratustra, o solitário. Se eu fosse pregar para o meio deles o que me aconteceria? De resto, eu até estou a apurar as minhas qualidades de pregador. Mas o que me aconteceria? A grande maioria mandar-me-ia passear. Seria? Veremos. Por outro lado, é chegada a hora de falar às multidões. Tenho consciência disso. Sou um pensador e tenho sido um pregador na escrita. Tenho pena desta gente. Sempre com a sua vidinha de compra e venda. Nenhuma novidade. Nenhuma curiosidade. Nenhuma filosofia. Eu posso ter os meus defeitos mas o mundo está quase perdido. Guerras, offshores, terrorismo, pilhagens, sacanagens, capitalismo. Aqui nada há de novo. Nem mulheres bonitas. As pessoas estão mortas. Quase todas. Não se passa nada. Absolutamente nada. A não ser na minha cabeça.

2 comentários:

  1. Magnifico texto e com tanta matéria de reflexão.
    O problema é que pensar dá trabalho, requer investimento, esforço, competências e isso vai escasseando no nosso país e no mundo, onde a formatação da mentes dá bem mais lucro do que o questionamento.
    Obrigada pela partilha...sinto-me um pouco menos só, mesmo que tal soe a presunção.
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.