quinta-feira, 21 de abril de 2016

REGREDINDO

                                                          SERÁ ISTO EVOLUÍR ?
Os velhos empresários do alvorecer do capitalismo, que criaram as grandes companhias que ainda hoje dão cartas em todo o mundo e ostentam orgulhosamente o nome dos criadores, fizeram fortuna de forma fácil, não apenas devido ao seu génio empreendor, mas por serem pioneiros e disporem de milhões de miseráveis dispostos a tudo por uma côdea.
E quando se sonhava que, com o avanço científico e tecnológico e a democratização do ensino, os povos cada vez mais livres e cultos poderiam também beneficiar -  produzindo em melhores condições de higiene e segurança - de mais tempo de lazer e de uma melhor repartição da riqueza produzida, eis que a infernal máquina capitalista conseguiu subverter tudo, criar novas e fictícias necessidades para poder continuar a dispor de milhões de novos escravos, a quem pagam cada vez menos para poder continuar a ter cada vez mais.
E não restam muitas dúvidas de que tal estado de coisas se deve em grande parte à promiscuidade da política com os negócios, em que o político é também empresário, e vice-versa, e quando não o é não hesita em vender ao diabo a alma, a troco de promessas que nunca se cumprem, sobrando para os povos cada vez menos meios de sobrevivência digna.
E são oásis no deserto aquelas companhias que se preocupam em criar para o pessoal bom ambiente de trabalho, fazendo jus ao título “A good place to work”, apesar de estar bem demonstrado ser essa uma boa forma de aumentar a produtividade, num ambiente de confiança e respeito mútuo.
O multifacetado empresário norte-americano Jeff Bezos, que ganha rios de dinheiro no negócio dos livros – 107 biliões de dólares de facturação no ano passado – viu a sua “Amazon” ser classificada, por um jornal com a prestígio de um New York Times, um penoso lugar para trabalhar.
Num trabalho de nove páginas assinado por Adam Lashinsky, a “Fortune” percorre a vida e obra deste multimilionário de 52 anos, também dono do jornal “Washington Post” e da “Blue Origin”, empresa que se prepara para empreender viagens de ida e volta ao espaço, já para o próximo ano.
Ao ver comparada a sua “Amazon” a um gulague soviético – “Amazon as only marginally more pleasant than in a soviet gulag” – ; e um penoso lugar para trabalhar – “Amazon had long been known as a miserable place to work” -; Bezos responde que aquele artigo do NYT não retrata a “Amazon” que ele conhece: “The article doesn´t depict the Amazon I know; Amazon intense culture is a strenhgt, not a weakness”..
E apesar de já terem sido anunciadas melhorias no relacionamento humano, o articulista da “Fortune” pergunta: “Did you realy expect Bezos to abandon the formula that got him here ?
                                             Amândio G. Martins







Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.