quarta-feira, 22 de março de 2017

SERÁ QUE OS TREINADORES DE FUTEBOL SÃO O 'ELO MAIS FRACO'?


Será que os treinadores de futebol são o 'elo mais fraco'?
A época de futebol da Liga NOS, referente à temporada de 2016/17, a par de outras épocas anteriores, que infelizmente não têm falhado à regra, pelos piores motivos, está ser assombrada pelas chamadas "chicotadas psicológicas", muito em voga, nas últimas décadas, cujo primeiro alvo a abater, pelos maus resultados obtidos pelos clubes, é sempre o treinador e as suas equipas técnicas. Como afirma, por norma uma figura bem conhecida do mundo musical, e júri em muitos concursos televisivos, pessoa muito conhecedora e bem conceituada nessa área, da música, que é o Senhor Manuel Moura dos Santos… que quando não gosta de alguma intervenção de algum concorrente, afirma em bom-tom e claro,… "Vais de vela". 

Como tal, esta época não pode falhar a nenhuma excepção e está a ser marcada definitivamente por uma temporada puramente atípica, pelas consecutivas e já bem conhecidas pela chamadas, "chicotadas psicológicas" Em todas as épocas se têm verificado as tais chamadas "chicotadas psicológicas", por parte da maioria dos dirigentes máximos dos clubes, que não vêem outa solução, e, para se livrarem à revolta dos seus associados dos seus clubes e não porem ou sentirem os seus lugares à disposição ou em risco…porque ser presidente de um clube, mesmo por mais "pequeno" que possa ser, ainda é bom, e parece que ainda vale a pena, salvo raras excepções, de um ou outro dirigente que ainda vestem a "camisola", por amor ao(s) clube(s)…e, assim para poderem dar uma satisfação à massa associativa dos respectivos clube que representam, e, a acalmarem as hostes mais exaltadas de alguns adeptos, o melhor que têm a fazer e fazem-no, sem olharem, à disponibilidade financeira das tesourarias dos clubes, e a solução que encontram, como atrás acabei de citar do tal homem e conhecer da músico…"O melhor, é ires de vela", passei a citar, porque outro virá, porque basta um telefonema, porque treinadores há muitos e a todo o momento estão à espera que o mesmo toque.

Dos 18 emblemas que participam esta época de 2016/17, na I Liga NOS, e apenas quando estão já decorridas 26 jornadas, faltando obviamente 8 jornadas para terminar esta longa liga de futebol, cinco treinadores têm o privilégio e a segurança até ver, porque a época ainda não acabou, e algo até ao final ainda pode vir a acontecer porque de um momento para o outro pode haver reviravoltas, sabe-se lá, por um mau resultado que possa acontecer e põe em risco uma época e um lugar…mas até ver alguns deles podem ter os seus lugares já assegurados (?), e o grande privilégio de ter os seus lugares garantidos, são eles, a saber: Jorge Jesus (Sporting CP); José Couceiro (Vitória Futebol Clube); (Nuno Espírito Santo (FC Porto); Pedro Martins (Vitória Sport Clube) e Rui Vitória (SL Benfica).
Porque tem sido uma dança e troca de treinadores, nas restantes 13 equipas, desta Liga NOS da época de 2016/17, que têm ido de "VELA", como nada já valessem para os respectivos emblemas. Excepções, a considerar para os treinadores, Jorge Simão, que trocou o Desportivo de Chaves, pelo chicoteado, José Peseiro do Sporting Clube de Braga e de Lito Vidigal, que treinou o Arouca e foi de malas e bagagem até ao outro lado do globo, até Israel, para treinar, mais propriamente o Maccabi Telavive.
E, assim é mais fácil, mesmo que custe milhares de euros aos cofres dos clubes, despedir um elemento, que é sempre e por norma, o "elo mais fraco (?)", que é o treinador, que não falha golos, que não falha penaltis, que não consegue evitar uma distracção do guarda-redes, que não consegue evitar que este ou aquele jogador seja expulso e põe em risco o resto do trabalho de toda uma equipa.
Raramente tenho assistido, e, se eventualmente alguma(s) veze(s ) tal aconteceu, foram poucas as vezes que tal aconteceu, e, estou certo, é os presidentes dos clubes de terem a devida coragem de mandarem de "Vela" à boa maneira do Senhor Manuel Moura dos Santos, dois ou três jogadores, que muita das vezes, são as autenticas maçãs podres de uma equipa.
É preciso ter muita coragem para se ser treinador de futebol, ou então, muitos deles não se importam de irem de "Vela" porque são bem indemnizados e podem estar alguns meses a viverem dos rendimentos…isto, em relação aos treinadores de topo é somente esperarem à "beira" do telefone ou telemóvel , que este toque, porque sempre há um clube na ânsia e desejo de trocar de treinador para justificarem aos adeptos as más gestões que esses presidentes e seus acólitos, fazem nas aquisições de alguns jogadores no inicio de cada época.

(Texto-opinião, publicado na edição online, secção "Escrevem os Leitores" do Jornal  RECORD de 22 de Março de 2017)

MÁRIO DA SILVA JESUS






3 comentários:

  1. Podem ser o 'elo mais fraco', mas com muitos milhões na algibeira.

    ResponderEliminar
  2. Isto da "indústria do futebol" também me parece que navega numa questão de fé. Os cinco treinadores nos quais os clubes mantêm confiança, salvo Vitória, que é o que todos procuram, têm os nomes de Jesus, Espírito Santo, José (S. José) e Pedro (S. Pedro), o que parece lhes dar uma certa garantia. Agora, o Nacional da Madeira, contratou Deus (João de), para fazer concorrência à metrópole. Vamos a ver como é que esta guerra pela protecção divina acaba?
    Um abraço ao Mário, sempre oportuno e em cima dos factos.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.