domingo, 8 de julho de 2018

Foi bonito, pá


Quando pensávamos que os dias cinzentos, tristes e punitivos tinham acabado, ei-los que regressam. Pela mão dos que nos fizeram acreditar que não teriam sido necessários tantos sacrifícios para sobrevivermos. Sim, sobreviver, com dignidade e sem recriminações, porque nunca ninguém pensou ou quis enriquecer de repente. Um pouquinho mais de justiça social não faria mal a ninguém. Mas o poder tem destas coisas, acaba por levar os que com ele se inebriam a “racionalizar”, a aceitar a força da “realidade”. Conhece-se a cartilha: Querem isto? Não há dinheiro; quem paga e donde vêm os recursos? Palavra de Passos Coelho. A António Costa, logo a quem acreditava que a democracia era a certeza de que há sempre uma, acabaram as alternativas. Sobram-lhe o omnipresente (em Bruxelas) Mário Centeno, os cortes e as cativações.

Não, não é nada bonito ver fechar salas em maternidades (apoio à natalidade?), professores (em busca do tempo perdido), profissionais da (in)justiça, e muitos outros trabalhadores (à cata da “concertação” autêntica), tudo em pé de guerra. Só porque o Governo PS não se esqueceu apenas do que prometeu, esqueceu-se, também, o que é mais grave, das convicções que proclamou.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças. Não diga aos outros o que não gostaria que lhe dissessem. Faça comentários construtivos e merecedores de publicação. E não se esconda atrás do anonimato. Obrigado.