sexta-feira, 20 de julho de 2018

Gosto de escrever neste blogue


Tenciono continuar tão firme quanto possível, nem que fique aqui sozinho, e mesmo que suspeite, fundadamente, de que não tenho qualquer leitor. Para quem leva a escrita a sério, praticá-la bem não é tarefa fácil. E nem sequer é preciso aspirar-se ao Nobel ou ao Pulitzer, ou, mais prosaicamente, a publicar um livro que, diga-se em abono da verdade, não passa, hoje, de um facto corriqueiro. Mas é difícil escrever com o mínimo de erros (para não dizer zero), sobretudo factuais e na obediência às regras gramaticais e da dialéctica. Dá-me muito trabalho, quantas vezes, ir confirmar dados de facto ou históricos que refiro, verificar construções sintácticas, conferir concordâncias ou tempos verbais, comprovar a obediência a regras sociais, de cortesia e de convivência, sem nunca alijar as questões de princípio que quero que me norteiem. De facto, é preciso muito denodo, muita persistência, muito amor à “arte”. A maior parte de nós, eu incluído, não consegue atingir aqueles objectivos, embora, por razões que desconheço, muitos pensem que sim.

Está claro que a propagação das nossas ideias – se são “nossas” é porque acreditamos nelas e gostamos que outros as partilhem – é uma coisa importante, que move o escritor, seja de livros, de cartas, de artigos, de poemas ou meramente de recados à vizinha.  

Mas gosto de escrever aqui porque, entre outras coisas, aprendo muito. É o trabalho de sapa que, muitas vezes, só eu conheço, mas que subjaz aos meus textos, é o espevitar da minha própria inteligência, desafiada por argumentos contrários e, quiçá, mais verdadeiros que os meus. Estou sempre a repetir-me, aqui ou em qualquer lugar, quando digo que só as águas vivas e em movimento, umas contra as outras, trazem o progresso da humanidade, quando, ao contrário, as águas paradas tendem a gerar pântanos pútridos de onde não se sai.

Se alguém faz encómios aos meus textos, fico agradecido, mas esse não é, obviamente, o objectivo que me levou a publicá-los. Se eles são criticados com razão, eu poderei acabar a reconhecê-lo e, então, aprendi um pouco mais. Se são criticados sem ela, só me resta o DEVER de ripostar, em defesa do meu pensamento, e para que eventuais leitores se apercebam de certas justezas. Virar costas à discussão, isso não. E considero também meu/nosso dever, uma vez que est(ou)amos sujeito(s) à leitura pública e aberta, não divulgar imprecisões e erros, pelo que eu e todos nós deveremos fazer tudo ao nosso alcance para os barrar e não lhes dar sequência sem controvérsia. A palavra escrita tem alguma força e longe de mim a mais leve suspeita de que alguém possa errar por minha influência directa.  

O blogue tem defeitos? Mas é evidente que sim. Quem pensou, alguma vez, que os não tinha?

Uma pergunta final: alguém estabeleceu definitivamente que o valor do blogue é medido apenas pelo número de participantes?

2 comentários:

  1. Posso assinar por baixo? Então aqui fica a minha concordância com o que escreveu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que pode. E mais, perdoe-me a petulância, mas que bom que era que fôssemos muitos a partilhar destas ideias.

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças. Não diga aos outros o que não gostaria que lhe dissessem. Faça comentários construtivos e merecedores de publicação. E não se esconda atrás do anonimato. Obrigado.