quinta-feira, 26 de julho de 2018

Momentos brancos de escrita chocha


Momentos brancos de escrita chocha

26 JUL 2018 / 02:00 H.




    Os tempos não vão para escrita controversa ou polémica. Quem ousar erguer a pena contra os costumes, desalinhar dos assuntos dominantes e que fazem as capas dos diários, é arquivado no fundo do balde dos critérios, com rodas esquinadas em direcção ao contentor colorido e selectivo, ao fechar do dia, pela noite na rua escura. As redacções não estão ao dispor da palavra livre. Barricam as letras provocantes que teimam serem palavras mordazes, agressivas, que acordam causas e factos inconvenientes. Os jornais do dia atarefam-se em calar as vozes e abafar os sonhos que as palavras levam dentro propositadamente como armas. Eles fazem das folhas de papel do jornal em que trabalham, o seu testamento, o seu livro de doutrina. Pior. A sua verdade. Cuidam que são memória geral, histórica, para, mais que servir o povo ferido de cegueira, guiá-lo. Trazer-lo manipulado, atado, confundido às escuras por falta do contraditório. De luz independente.
    Os jornais não gostam de quem sai fora do correctinho. Da prática que a casa impõem. A liberdade de expressão, é uma expressão gasta e pouco livre. O autor só não é proscrito, porque é anónimo, não consta da lista dos escribas da casa que detêm a coluna especial. Aquela que julgam ser por quem todos esperam. Também a dos amigos e eleitos ou convidados, quase residentes. Os compinchas. Os que não passam da futilidade e aonde registam apenas os seus arrotos. Os jornais estão ao dispor da família, em que cada um conforta o outro. Mas os tempos estão difíceis. Para eles ainda mais, quando se comportam como tesouras. E nós como silenciados!*
    *-(hoje no DN.madª)





    OUTRAS NOTÍCIAS



       



    ‘100 Anos de Max – Canções de Sempre’ para ouvir este sábado


    PAÍS

    Temos de nos preparar e ir mais longe na Protecção Civil europeia, avisa Marcelo




    1 comentário:

    1. Exactamente! " Trazer-lo manipulado, atado, confundido às escuras por falta do contraditório. De luz independente." A mim, um chefe de redacção até me mentiu e gozou. É verdade que os espaços são cada vez mais reduzidos. A NM que chegou a ter 2/3 páginas, acabou.

      ResponderEliminar

    Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças. Não diga aos outros o que não gostaria que lhe dissessem. Faça comentários construtivos e merecedores de publicação. E não se esconda atrás do anonimato. Obrigado.