segunda-feira, 23 de julho de 2018

Um mundo esquisito...

Penso que é do senso comum que tudo "isto" é muito difícil de interpretar, quanto mais de interpretar com alguma lógica! No mesmo dia em que leio, no facebook, um texto magnífico ( não quer dizer que esteja de acordo com ele nas conclusões) de José Goulão, transcrito do blogue "Estátua de Sal" - O capitalismo em guerra civil - sei, também, que Cuba substitui, na Constituição, o comunismo pelo socialismo. Contemporaneamente, enquanto o capitalismo está, realmente (estou de acordo), em "guerra civil", o comunismo "retira-se" dos textos e resguarda-se em eufemismos e até em práticas que eu já aqui chamei de "sucedâneos". Novos "pós-modernismos" relativistas, são-no apenas nas palavras, que não nas geografias. Mas, porquê então o recuo nas primeiras, quando o capitalismo se "desintegra"? Por bondade não é com certeza! Talvez seja porque já viveram uma "morte" (passe o oxímoro) e sabem  que, em não mudando o desempenho do capitalismo predador, que mina o ideal europeu, não precisarão de "mexer uma palha" para fazer o "trabalho" que aqueles "europeus e norte-americanos" com ideal adulterado, farão por si... com o voto dos povos "esquisitos", também eles. E aguardam, com "mudanças" para o exterior, que se cumpra o expresso por Vergílio Ferreira: ocidente é sinónimo de ocaso...

Fernando Cardoso Rodrigues

3 comentários:

  1. Capitalismo - Comunismo - Socialismo, o que temos verificado é que os povos procuram algo que não é fácil atingir, que é um sistema que não as tolha na suas ideias, no seu ideal de vida; como isto não é inteiramente viável, vai-se avançando por tentativa e erro...

    O caso de Cuba parece-me paradigmático; e quando vejo em circulação aqueles velhos carros americanos de antes da revolução, imagino o engenho daquela gente para os manter a funcionar, inventando peças que o fabricante decerto não lhes fornecia, quanto mais não fosse por obsulescência. Penso que gente assim, se lhe for permitida alguma liberdade de iniciativa, pode ir longe...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou de acordo consigo nas suas duas asserções. Aliás recordo com um sorriso uma viagem num "coco-táxi" em Havana, há uma década...Mas o meu texto pretendia ir mais longe... na "especulação"(?)...

      Eliminar
  2. Não sei se foi Marx, se Lenine, que dizia que o capitalismo continha em si mesmo o gene que o havia de destruír; acontece que todos somos o combustível que alimenta o capitalismo, pela fome e sede demonstradas por tudo quanto se propõe impingir-nos...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças. Não diga aos outros o que não gostaria que lhe dissessem. Faça comentários construtivos e merecedores de publicação. E não se esconda atrás do anonimato. Obrigado.