sexta-feira, 17 de março de 2017

Evaporaram-se...Puf...

Hoje ao fim da tarde, gastei algum tempo a folhear alguns jornais e eis que num dos diários nacionais de hoje leio uma noticias que me estarreceu.
Pelos vistos perdeu-se o rasto a 15 menores que chegaram sozinhos a Portugal.
Evaporaram-se...Puf...
Ora bem...perante estes dados, a coordenadora do Centro de Acolhimento a Crianças Refugiadas , Dora Estoura, declara coisas enormidades deste género, e passo a citar :
Os desaparecimentos são "naturalmente uma fonte de preocupação", mas "é um traço comum a esta população a nível europeu", disse a coordenadora. "Há que não criar alarmismos."
Há dias que temos que ler o insurportável...
Isto está tudo doido?
Então para este organismo que tem , supostamente o dever de acompanhar crianças em situação difícil, o desaparecimento de 76 miudos entre os 15 e os 17 anos não é um motivo para alarme?
É motivo para alarme e é vergonhoso, sobretudo quando, mais uma vez estamos perante uma falha de um organismo do Estado, pago por todos nós.
É motivo para alarme e é vergonhoso porque este tipo de falhas é recorrente e tanto é assim, que os peritos europeus estão, preocupados com a situação das crianças vítimas de tráfico em Portugal .
Aqui ficam os dados para vossa reflexão ( fonte - relatório do Grupo de Peritos em Acção Contra o Tráfico de Seres Humanos (GRETA), organização do Conselho da Europa )
Entre o início de 2012 e Junho de 2016 foram confirmados 36 menores vítimas de tráfico de seres humanos.
A esmagadora maioria – 32 – eram do sexo feminino.
Vieram sobretudo da Nigéria (quinze) e de Angola (dez), mas também da Guiné-Bissau (três) e da Bulgária (três).
Razões porque a maioria foi traficada: exploração sexual.
Depois de ler esta noticia fiquei, mais uma vez , enojada e não li mais nada...
Pobres crianças...


6 comentários:

  1. A falta de respeito pelo semelhante campeia neste país. A situação é tão mais grave que os superiores responsáveis por estas situações, que ultrapassam o razoável, ouvem estas declarações e não correm com esta gente incompetente que ocupam os cargos. Só por nepotismo e compadrio justificam estas míseras situações. Desaparecem 15 menores, naturalmente que não foram todas no mesmo dia, e o incómodo da instituição parece não existir e parece conformada. Este país bateu no fundo e, e o barco já se movimenta num lameiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora estou a ver mais uma investigação do Sexta às 9 e novamente o Estado a ser colocado em causa pela forma pouco clara como algumas crianças são "adoptadas" e como são tratadas enquanto estão institucionalizadas.
      A desresponsabilização das Instituiçoes é absolutamente deploravel.
      Coisa mais triste ...
      Defintivamente esta tudo doido.
      Concordo completamente com o seu comentário, de um enorme sensatez.

      Eliminar
  2. Acabei de ver o "Sexta às 9" na RTP e... mais casos deste teor! Estranho,no mínimo... grave.muito grave!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também estive a ver .
      Mais uma vez o Estado a ser colocado em causa pela forma pouco clara como algumas crianças são "adoptadas" e como são tratadas enquanto estão institucionalizadas.
      A desresponsabilização das Instituiçoes é absolutamente deploravel.
      Coisa mais triste ...

      Eliminar
  3. O país e o mundo estão em degradação constante. Onde é que estão as referências. O Papa Francisco perfila-se como uma das poucas. Mas já repararam que até a Cáritas? Claro que o Senhor é impotente para manter o rumo certo de tamanha nau. Assim como o é Guterres, na outra. Mas, Graça, a indignação não é geral! Se o fosse, a degradação não seria tão grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem me dera que houvesse que a indignação perante o absurdo e a maldade fossem contagiosos, mas infelizmente o que vamos vendo é que o ser humano como maior predador do planeta, faz jus à sua condição e não olha a a meios para atingir os fins, na maioria dos casos de forma egoísta, como no caso da Cáritas que bem refere no seu comentário .

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.