quinta-feira, 9 de março de 2017

O DECLÍNIO DAS IDEIAS UTÓPICAS

No mundo actual, as ideias utópicas, as ideias de um mundo para todos onde os recursos naturais e outros não são só pertença de uma ou duas gerações mas também das gerações vindouras são claramente minoritárias em favor de políticas governamentais que se preocupam apenas com o equilíbrio orçamental e com outros assuntos financeiros. A ideia de fé no futuro sobrevive somente nos campos científico e tecnológico, tendo-se relegado as utopias políticas, sociais ou artísticas para um plano muito secundário. Mesmo a noção de humanidade como espécie que deveria usufruir, na sua generalidade, da vida, da liberdade e da felicidade se tem perdido em relação aos séculos XVIII, XIX e XX. Além do mais, verifica-se um recrudescimento dos projectos fascistas, racistas e de extrema-direita que ameaçam tomar o poder em países como a França e a Holanda- e já o fizeram com Trump nos EUA- precisamente devido à prevalência de uma sociedade capitalista sem valores nem ideais, unicamente preocupada com o económico-financeiro e que tanto os partidos ditos socialistas ou sociais-democratas como os de direita têm representado. Urge lutar nas ruas e dar a conhecer os grandes pensadores e os grandes artistas de modo a inverter a tendência, de modo a fazer triunfar os grandes ideais utópicos e a ideia de humanidade como um todo de que todos fazemos parte como cidadãos do mundo e do universo.

1 comentário:

  1. UTOPIA, nunca! Nem da "boa" nem da "má", simplesmente porque, por definição... é coisa que não existe!
    Ah! Na ciência não há fé no futuro, nem em nada. Há ideia de melhorar "o tempo que corre"... ( na "boa" pois, como em tudo nesse "tempo", há a "má"...).

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.