quarta-feira, 4 de julho de 2018


Tribunal de Trump...


Anthony Kennedy, Juíz do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, acaba de renunciar àquele cargo, abrindo caminho a Trump para lá colocar o “bonifrate” que mais lhe agrade, dado o partido republicano gozar de maiorias, pelo menos por mais algum tempo.

Anthony Kennedy, nomeado por Reagan há cerca de trinta anos, notabilizou-se pela moderação e foi decisivo em votações polémicas como a legalização do casamento gay, que deixou a direita ultramontana em polvorosa, razão por que festejam a sua resignação.

Como é aos presidentes que cabe a prerrogativa de nomear os juízes do Supremo, é ao partido do presidente em exercício, sempre que abre uma vaga, que compete apontar a pessoa que melhor lhes parece para tão alta função, embora tenha de passar pelo crivo da Câmara e pelo Senado, do que resulta um equlíbrio de nomes da simpatia dos dois principais partidos.

 Todavia, quando os políticos de maioria contrária estão de má fé com o presidente, como os republicanos fizeram com Obama, fazem trinta por uma linha para provocar um desiquilibrio a seu favor...

E quando as coisas “aquecem” mesmo, como foi da eleição fraudulenta do Bush “pequeno” em 2000, juízes como Clarence Thomas e Antonin Scalia foram os homens de mão dos republicanos para mandar parar a recontagem na Flórida, quando perceberam que iriam perder para Albert Gore; o argumento usado foi “evitar um mal irreparável para o país”...

“End of an era”, diz-se na Time, num trabalho de cinco páginas, com frases como estas:
“In his three decades on the Supreme Court, Kennedy provided the swing vote for many key cases. Trump´s nominee to fill this seat could tip the balance of power, transforming the court in the process”.




Amândio G. Martins


2 comentários:

  1. E, segundo julgo saber, são cargos vitalícios...

    ResponderEliminar
  2. De facto, só deixam o lugar por incapacidade física, renúncia, como foi agora o caso, ou morte...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças. Não diga aos outros o que não gostaria que lhe dissessem. Faça comentários construtivos e merecedores de publicação. E não se esconda atrás do anonimato. Obrigado.