domingo, 12 de março de 2017

A 12 de Março de 1964 - Deve ou não prolongar-se a Avenida da Liberdade?


Resultado de imagem para avenida da Liberdade
No início de 1964, a Câmara Municipal de Lisboa apresenta publicamente uma maqueta prevendo o prolongamento da Avenida da Liberdade através do Parque Eduardo VII. Na altura, a ideia de criar em Lisboa uma grande avenida, idêntica às existentes nas grandes capitais europeias. O Diário Popular, à semelhança de outros jornais da época, decide abrir um amplo debate sobre este tema. Na sua edição e 12 de Março de 1964, entrevista o conceituado arquitecto Conceição e Silva que afirma ser contra este projecto, pois iria destruir um dos poucos parques verdes que a cidade possuía na altura sugerindo que, com esse dinheiro, se deveria construir infra-estruturas que possibilitassem a realização de actividades desportivas e culturais para a população de Lisboa, nomeadamente exposições de livros e de esculturas, coretos, anfiteatros e espaços para os jovens jogarem à bola, retirando-os das ruas da cidade.
Recomenda-se a leitura do livro O Plano da Avenida da Liberdade e seu Prolongamento, de Filipe Roseta e João Sousa Morais, edição/reimpressão 2006, Livros Horizonte, ISBN 9789722414074, Colecção Cidade de Lisboa.

As sugestões apresentadas em 1964 por este arquitecto acabariam por se concretizar anos mais tarde. Na altura, as únicas infra-estruturas lúdicas existentes no parque Eduardo VII deram o Pavilhão dos Desportos, construído em 1922 e a “Nave”, uma enorme sala construída em 1957, na Estufa Fria, por baixo da alameda do Parque, usada, durante muito tempo, como o teatro municipal. Posteriormente, foram sendo edificados outros recintos desportivos no lado oriental. A partir de certa altura o espaço por onde deveria passar o prolongamento da Avenida da Liberdade passa a ser ocupado pela Feira do Livro, realizada com a periocidade anual e por diversas exposições de escultura ao ar livre, como a de Brotero. Nos nossos dias, um eventual prolongamento da Avenida da Liberdade através do Parque Eduardo VII seria considerada uma agressão ambiental.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.