sábado, 18 de março de 2017

A REDESCOBERTA DO AMOR

Trago caladas no peito
palavras que não conheço,
afetos sem nome , mas doces
como amoras maduras
prontas a colher.

Nesta imensidão de mim,
escondidas na lava da vida
tenho-as guardadas,
qual tesouro,
à espera do desabrochar.

Navego por um mar que só eu vejo.

Hipnótico e sedutor 
conduz-me a ti
e eu vou sem medo,
qual criança numa loja de algodão doce.

Neste bailado de ondas e marés
firme, seguras o meu corpo,
e dele nascem claras e cristalinas
estas palavras.

Soltam-se da garganta
numa língua que desconheço,
mas isso que importa
se os meus olhos falam,
com a transparência de diamantes ao luar.


Dancemos então…
embebidos no néctar deste tango
agora inventado,
até que o amor aconteça
hoje,
amanhã,
outro dia,
aqui,
ou em qualquer anel,
de um qualquer saturno distante.


©Graça Costa
imagem da web


11 comentários:

  1. Respostas
    1. que bom...obrigada por "me ler" - fico muito grata .
      Bom fim de semana

      Eliminar
  2. Poesia, talvez demasiado intimista, que marca o espaço, o tempo e a personagem, isto numa primeira análise, possivelmente não suficientemente aprofundada. Tem muito de sentimental e, por isso, está também muito personalizada e datada. É um bom poema, na linha de mensagem da Florbela, ainda que esta se exprima por sonetos. É bom encontrar estas formas de expressão literária, porque é mais artística e por isso, mais bela.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. poesia demasiado intimista - ora aqui está algo que nunca me teria passado pela cabeça. Vai-me dar que pensar ... e se assim for, tenho que ponderar deixar de escrever, ou pelo menos de partilhar.
      Grata pela sua opinião.

      Eliminar
    2. Cara Amiga e poetisa - Uma opinião, uma análise, não é uma sentença depreciativa, pelo contrário, até pode ser valorativa, como é o caso. Além de que não sou a última palavra na "crítica" literária. Aliás, eu coloquei a sua expressão poética ao nível da inconfundível Florbela Espanca. Deixar de escrever, porquê? Se me expressei de forma menos aceitável, o que julgo não ser o caso, nem é de minha condição, quero que me desculpe. Aliás, a arte é para ser partilhada, porque só assim se justifica.

      Eliminar
    3. de todo...percebi perfeitamente e usei de uma ironia subtil, apenas por diversão. Claro que a minha poesia é intimista...tem que ser porque vem de dentro - eu não faço versos, não me preocupo com rimas...escrevo o que a caneta, obedecendo à cabeça, dita... estava a brincar e estou certa que entendeu... Obrigada por ler .

      Eliminar
  3. Longe de mim fazer critica literária, Não tenho habilitações para isso, como tem o amigo Joaquim. Mas, também eu lhe peço, Graça, não deixe de partilhar. Adoro os seus poemas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A poesia é para se sentir...ou não;não para avaliar. Como a pintura, se provoca emoções , já vale a pena ser lida. Obrigada por "me ler" amigo.

      Eliminar
  4. Graça, nem pense em deixar de "poemar" aqui!! Vou dizer ao Joaquim, de modo brincalhão, aquilo que Pedro Barroso nos (en)canta: Se houver alguém que não goste, não gaste, deixe ficar, eu por mim quero-lhe (á poesia da Graça) tanto que não vai haver menina (poesia) pr'a sobrar!... Volte Graça!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Naturalmente que a culpa é minha, por não encontrar as palavras mais "finas" para analisar os belos poemas da Graça, que gosto imenso e não me parece que em qualquer situação tenha exprimido o contrário. Dos poemas, dos quais procuro aprofundar as mensagens neles expressas, nada disse donde se possa inferir de que não gosto, antes pelo contrário. Se não fui percebido, a culpa é minha, porque não soube fazer-me entender. Um abraço fraterno para toda a equipa, e que a Graça, excelsa poetisa, continue a favorecer-nos com a sua obra poética.

      Eliminar
    2. Meus queridos amigos, pelos vistos a minha "fleuma britânica" causou estragos. Fico feliz pelos vossos comentários e como já disse anteriormente , intimista ou não, se provoca emoções ja vale a pena . Beijinho e obrigada por lerem as minhas palavras.

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.