quarta-feira, 29 de junho de 2016

O Reino Unido deixou a UE

O Reino Unido zarpou da UE e remeteu-se às suas ilhas, para não ser ‘bife para ser comido de cebolada’, como diz a voz do povo.
E um partido português, e bem, porque faz parte integrante da nossa democracia, ‘ameaçou’ que, se o ‘cutelo de Bruxelas’ pairar perigosamente sobre Portugal e for levado avante por parte dos burocratas europeus, o povo português deve reflectir seriamente se quer ou não sair também da UE.
Todavia, como o referido partido – o BE – tem dirigentes que não viveram o passado cinzento de Portugal: Estado Novo e a Guerra Colonial, peço-lhes que perguntem aos concidadãos mais velhos o que era Portugal antes de entrar para a UE.
E sabem mais! Não foi só a UE que nos colocou amargos de boca. Foram as más governações nacionais que recebendo rios de dinheiro o empregaram em obras megalómanas que não criaram mais-valias; pelo contrário, obrigaram-nos a arcar com despesas incomportáveis face à nossa débil Economia, porque, entretanto, foram desmanteladas todas as indústrias produtivas que geravam riqueza, para passarmos a depender essencialmente do exterior. Exemplos: quer uma agulha para colocar um botão e importa-a da China; quer pôr uma vela na campa de um ente querido e ela vem da Polónia; e, assim, sucessivamente.
E eis a uma pergunta sacramental feita a esmo: o que é que faz? Resposta: compro tudo feito! O que é bem elucidativo.
De um modo geral, passamos a viver como uns nababos sem deixarmos de ser uns pés rapados. Passamos a tudo exigir sem, por contrapartida, termos nenhuma obrigação a cumprir. Isso, de observar! É com os outros!
Portanto, a culpa é só nossa, porque colocamos no poder de todas as decisões gente muito impreparada, com muitos corruptos à mistura, ladrões de casaca e toda uma súcia de mal-intencionados, os quais, em vez de servirem o País e os seus cidadãos, mais não têm feito do que tudo saquear em proveito próprio.
Resumindo: o mal não está nos outros! Está em nós!

José Amaral


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.